Bolsonaro que viria essa semana na Capital, deve vir em Maio para seminário

jair-bolsonaro-racistaO polemico deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) que tinha previsão de estar em Campo Grande nesta semana, não mais virá à cidade. O cancelamento foi feito devido à falta de agenda, do parlamentar e de outros membros da direção nacional do partido. O fato foi confirmado pelo deputado estadual Carlos Alberto David, o Cel.David, que foi questionado na manhã de hoje (20) sobre a presença do correlegionário nesta semana, anunciada por ele no mês passado, e, que seria para lançar candidatura do partido à prefeitura da Capital.

O parlamentar, contudo, explicou que a visita foi adiada e não cancelada, pois acontecerá já no próximo mês de Maio, e, que não tem nada haver com a nova confusão que o deputado causou ao votar no processo de Impeachment da presidente Dilma Rousseff, no domingo, homenageando o militar que torturou a chefe do executivo no regime militar. “Não tem ou não teria nada relacionado em não ter vindo ou mesmo se tivesse presente”, mencionou.

Cel. David comentou que o prazo maior até ficou melhor e que assim o PSC de Mato Grosso do Sul, que já planejava um seminário contra corrupção, irá realiza-lo trazendo o deputado federal e cúpula do partido para estrelarem o encontro. “Vamos realizar o Seminário contra a Corrupção Tolerância Zero, e queremos convidar o nosso presidente nacional, Pastor Everaldo, toda a bancada federal e o Jair Bolsonaro, que faz parte da bancada, para que venham realizá-lo na primeira quinzena de maio. Todos viriam, para mostrarmos a proposta do PSC para o Brasil e para o que pensamos a Campo Grande”, explicou.

O deputado estadual disse que vai a Brasília, semana que vem, para definir a agenda com a bancada federal, com a direção nacional da legenda, e com o próprio Bolsonaro. Segundo o coronel, o parlamentar federal já confirmou a intenção de vir a Campo Grande para contribuir com a cidade e ver o futuro eleitoral do PSC. “A intenção também é discutir o quadro político e planos do partido para 2016, na Capital, e 2018, com a eleição presidencial e intenção de lançar Bolsonaro como candidato.

Histórico

Jair Bolsonaro é conhecido por suas declarações polêmicas em torno de temas delicados, como homossexualismo, racismo e ditadura. A última e ao que parece vai para o rol das “mais absurdas”, é a homenagem ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, que torturou em 1970, a então militante Dilma Rousseff. O discurso de Bolsonaro a favor do impeachment da presidente, mencionou festivamente Ustra, que foi um dos comandantes do Doi-Codi, órgão de repressão do 2º Exército durante o período da ditadura militar. Ustra foi e é considerado um torturador perante a Justiça brasileira.

Apesar de toda a suas posições, no ano passado, o deputado veio a Campo Grande receber uma homenagem do governo do Estado de MS, que concedeu a Medalha Tiradentes, por serviços ‘relevantes’ a área de Segurança Pública, considerada pelo então comandante Cel David, hoje deputado, que assumiu a cerca de 15 dias, uma vaga na Assembleia Legislativa de MS.

A homenagem oficial de Estado, despertou a reação de grupos contrários, que tentaram derrubar a concessão da medalha, até via Judicialmente. A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil em MS) recorreu ao governador Reinaldo Azambuja, e, ao Tribunal de Justiça, mas não houve sucesso.

E para não ser diferente, na ocasião, o movimento LGBT, os índios e até a a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil em MS) foram os principais alvos de declarações de desdém ou piada de formas preconceituosas, homofóbicas do deputado federal.

Comentários

comentários