Bolsonaro diz que migrantes deverão ‘cantar hino’ para entrar no Brasil

Redação

O presidente reforçou que o país vai sair do Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular, da ONU

O primeiro tuíte de Jair Bolsonaro (PSL) nesta quarta-feira (9) foi sobre a saída do Brasil do Pacto Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular, regulamentado pela ONU e assinado por 181 países.

De acordo com o presidente, que confirma a revogação da adesão ao Pacto Global para Migração, o Brasil deve ter soberania na decisão sobre “aceitar ou não migrantes”. O capitão reformado disse ainda que quem migrar para o país, “deverá cantar nosso hino e respeitar nossa cultura”. Ele terminou o texto com uma frase escrita em caixa alta e que deixa bem claro o seu objetivo.

“O Brasil é soberano para decidir se aceita ou não migrantes. Quem porventura vier para cá deverá estar sujeito às nossas leis, regras e costumes, bem como deverá cantar nosso hino e respeitar nossa cultura. Não é qualquer um que entra em nossa casa, nem será qualquer um que entrará no Brasil via pacto adotado por terceiros. NÃO AO PACTO MIGRATÓRIO”, escreveu o presidente.

 

O que é o pacto

O pacto foi aprovado pelas Nações Unidas, no último mês de dezembro. Ao todo, 181 países votaram a favor do documento, inclusive o Brasil, ainda presidido por Michel Temer. Estados Unidos e Hungria foram contrários. República Dominicana, Eritreia e Líbia se abstiveram.

O objetivo da iniciativa é promover a resposta internacional adequada aos fluxos em massa e situações prolongadas de refugiados. No final de 2017, existiam quase 25,4 milhões de refugiados em todo o mundo, segundo a Agência Brasil. Atualmente, apenas 10 países acolhem 60% das pessoas nessa situação. Só a Turquia abriga 3,5 milhões de refugiados, mais do que qualquer outro país.

 

 

Comentários