Bolsonaro ao líder paraguaio: ‘Não dá para dar um golpe, não?’

VEJA/JP

Jair Bolsonaro (centro) a Mario Abdo Benítez (esq.) sobre as esquerdas: ‘Tudo quando eles perdem, eles dizem que é golpe’ – (Foto: Alan Santos/Flickr)

Ao passar a liderança semestral do Mercosul ao Paraguai, durante a reunião de cúpula do bloco nesta quinta-feira, 5, o presidente Jair Bolsonaro arriscou uma conversa com seu colega do Paraguai, Mario Abdo Benítez:  “Quero continuar presidente, não dá pra dar um golpe, não?”, afirmou.

Sem dar-se conta de que seu microfone estava aberto, Bolsonaro tentou amenizar o impacto de sua declaração em Benítez, e justificou com sua percepção sobre o comportamento dos líderes da esquerda diante de derrotas. “Tudo quando eles perdem, eles dizem que é golpe. É impressionante.”

Pelo sistema de rodízio, por ordem alfabética, o Brasil recebe a presidência do bloco da Argentina e a passa ao Paraguai. Esta 55ª reunião de líderes do Mercosul acontece em Bento Gonçalves (RS) e é a primeira comandada por Bolsonaro desde sua posse, em janeiro. O áudio estava sendo transmitido ao vivo para jornalistas e diplomatas pelo sistema de som da reunião, e seu teor foi noticiado pela Rádio Guaíba.

O presidente paraguaio, que falou em seguida, agradeceu ao Brasil pelo “apoio quando houve uma ameaça à democracia”. No início de agosto, foi aberto um processo de impeachment contra ele, depois de vir à tona um acordo secreto com o Brasil sobre a comercialização da energia da usina de Itaipu, que traria supostos prejuízos de mais de 200 milhões de dólares a Assunção. A investigação foi interrompida por pressão brasileira.

Comentários