Bolsonaro afirma que próximo ministro ao STF será indicado por ser evangélico

Lúcio Borges

O presidente Jair Bolsonaro, que já falou sobre o tema, nesta quarta-feira (10), ratificou e em tom até já quase oficial, afirmou que indicará um ministro evangélico para o Supremo Tribunal Federal (STF), mesmo ante os Poderes de Estado brasileiro serem laicos e não ter nenhum vinculo com indicação direcionada, ainda mais religiosa. Mas, para o atual chefe da Nação, a busca pelo “resgate dos valores familiares” deve estar presente em todos os poderes do país. O presidente que como muitos avaliam, continua em palanque eleitoral, ratificou sua posição “pessoal” e extrema, em evento religioso, que também era realizado em ambiente público no Parlamento brasileiro.

“Entre as duas vagas que terei para indicar para o Supremo um deles será terrivelmente evangélico”, disse, durante sua participação em um culto da bancada evangélica na Câmara dos Deputados, na manhã de hoje, onde também elogiou a atuação dos parlamentares evangélicos nos últimos anos. “Vocês sabem o quanto a família sofreu nos últimos governos. Vocês foram decisivos na busca da inflexão do resgate dos valores familiares”, completou.

No mês passado, ao criticar a decisão do STF de criminalizar a homofobia como forma de racismo, Bolsonaro já havia sugerido a indicação de um evangélico para a Corte. Até 2022, o presidente da República poderá indicar nomes para pelo menos duas vagas, que serão aberta com a aposentadoria compulsória dos ministros Marco Aurélio e Celso de Mello.

Bolsonaro ainda até falou sobre estado laico, mas mantendo posição pessoal, apontando que quem decide são pessoas e Cristãos. “Quantos tentam nos deixar de lado dizendo que o Estado é laico. O Estado é laico mas nós somos cristãos. Ou para plagiar a minha querida Damares, nós somos terrivelmente cristãos”, disse, em referência à declaração da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves.

Contudo, ao falar de ser Cristão, o presidente também remete somente a uma vertente da religiosidade brasileira e mundial.

Previdência

No dia em que acontece a primeira sessão de votação do texto-base da reforma da Previdência, o presidente chegou à Câmara pouco antes das 8h30 e estava acompanhado de vários ministros. Ao deixar o culto, Bolsonaro disse que a expectativa para a votação é de vitória e aprovação da matéria antes do recesso parlamentar. Ele seguiu para o plenário da Casa, onde, em um breve discurso, fez um apelo aos deputados.

“O povo conta com deputados e senadores para que nosso Brasil realmente deixei de ser apenas no discurso um país do futuro, mas na prática. Temos exemplos de outros países onde homens e mulheres, ao assumirem o comando, tomaram decisões corajosas. Vocês hoje se encontram em uma situação muito semelhante. O entendimento de todos nós, parlamentares e Executivo e, em parte do judiciário, dirá se queremos ser uma grande nação ou não”, disse Bolsonaro.

Os deputados encerraram a fase de discussão da nova Previdência na madrugada desta quarta-feira. Com a conclusão dessa etapa, a votação do texto-base da proposta, em primeiro turno, está prevista para começar em sessão marcada para as 10h30. Para ser aprovada, a matéria necessita de 308 votos, equivalentes a três quintos dos 513 deputados, nos dois turnos de votação.

Comentários