Bernal também participará de decisões sobre Impeachment de Dilma

Prefeito Alcides Bernal é alvo de nova ação movida pelo MPE
Prefeito Alcides Bernal foi alvo de ação e cassação movida pela Câmara de Vereadores

O prefeito Alcides Bernal, além dos 11 parlamentares federais de Mato Grosso do Sul, também participará da decisão do destino da presidente Dilma Rousseff. Ele mesmo que indiretamente, não sendo membro do Congresso Nacional, onde se decidirá sobre o Impeachment da presidente, tem poder de decisão em posição de seu Partido Progressista (PP), que também está analisando rompimento com o Governo Federal. Bernal, que é presidente regional dos progressistas, também é vice-presidente nacional do partido, que está em tratativas que pode apoiar a saída da presidente. A principio, ele parece ser contra a cassação, até porque relembra a sua própria retirada do cargo de prefeito da Capital em 2014, pelo considerado golpe político sobre um eleito democraticamente.

Nesta sexta-feira (18), quando houve grandes manifestações a favor e contra o Governo Federal, Bernal pediu aos brasileiros, serenidade, bom senso, e, em especial aos campo-grandenses, que se lembre do caso de Campo Grande e o estado que ficou o município. O prefeito se posicionou na manhã de ontem, em solenidade oficial da prefeitura de lançamento do “Projeto Posso Ajudar”. Ele falou sobre a atual situação de crise política no Brasil, onde apesar da dimensão nacional, fez uma co-relação com o que “já passamos” em Campo Grande, em sua retirada do cargo.

“Lembremos do caso local, de como tudo ocorreu e ficou a cidade com nossa retirada da prefeitura. Apesar do não envolvimento da maioria dos campo-grandenses como atualmente, que todos pensem no real e no futuro. Estamos em momento perigoso, conturbado e com consequência que terá sequelas para a Nação e futuras gerações. Temos que confiar ou esperar e ter ainda Esperança nos Poderes constituídos, no trabalho e acima de tudo no bom senso de aplicação do serviço público ao ‘bem comum’. Peço a nosso povo aqui, bem como que tenham em todo o Brasil, serenidade, maturidade, bom senso e acima de tudo, fé em Deus e confiança nas autoridades para ajudar nosso país”, discursou Bernal.

O prefeito falou sobre a posição do PP, ao ser questionado pela reportagem do Página Brazil, na saída da solenidade. “Estamos conversando ainda, mas como vice-presidente nacional, e vejo que o partido está analisando profundamente e em compasso de espera para vermos o melhor a ser decidido para o País. Queremos e já destacamos que o principal é fazermos e termos a estabilidade institucional. Eu ressalto sobre nossa história aqui na Capital e temos que deixar o Poder Judiciário agir e não tomar decisões políticas somente pelo embate rasteiro e de política que só interessa a grupos particulares”, apontou.

Experiência da Capital

Ontem, o prefeito permeando o seu discurso lembrou da realidade nacional, com o que os campo-grandenses direta ou indiretamente já viveram nos últimos dois anos. “Esta situação vivida pelo governo federal, apesar que tem mais ingrediente de crise econômica e com outros Poderes –Legislativo e Judiciário- nós já tivemos um exemplo em nossa Capital. Passamos pela interrupção de um mandato e acima de tudo do trabalho pelo município, que ficou comprometido na pratica com a aplicação da má política. E assim, temos que ver que agora é com o País e que envolve todos os entes da nação e prejudica acima de tudo a toda a população”, avaliou Bernal.

Bernal pontuou ainda que a ordem no município e pelo Páis, deve ser mantida e garantida não só pelas forças policiais, mas pela própria população. “Não podemos levar para as ruas ou mesmo devemos pensar profundamente em acabar com esse ódio gratuito. Cada um é responsável por seus atos, mesmo em conjunto, em multidão de protestos. Temos que pedir e gritar por Democracia, mas lembrando de praticá-la desde que sair de casa e respeitar a cada um em seu espaço, opinião e diversidade”, completou o chefe do Executivo da Capital.

Matéria: Lúcio Borges

Comentários

comentários