Bernal é vaiado em nova favela e diz: ninguém é obrigado a morar onde não quer

O prefeito Alcides Bernal (PP), esteve na manhã desta sexta-feira (11) no bairro Vespasiano Martins, para onde as famílias que moravam na Cidade de Deus foram transferidas. Durante discurso, Bernal foi vaiado pela população.

Bernal foi vaiado durante evento na manhã desta sexta-feira (11). Foto: Kerolyn Araújo
Bernal foi vaiado durante evento na manhã desta sexta-feira (11). Foto: Kerolyn Araújo

O chefe do executivo afirmou durante discurso que o terreno onde para onde as famílias foram transferidas é um local bom, com água, energia elétrica e esgoto. Antes mesmo de terminar a frase, o prefeito foi vaiado pelos moradores da nova favela. Mostrando desconforto com a situação, Bernal reagiu às vaias. “Quem não gostou do lugar pode levantar a mão que vamos tirar da lista. Tem várias pessoas precisando do espaço. Ninguém é obrigado a morar onde não gosta”, afirmou.

Moradora ficou revoltada. Foto: Kerolyn Araújo
Moradora ficou revoltada. Foto: Kerolyn Araújo

Nervosa após perder quase tudo durante a mudança, uma moradora do local, identificada apenas como Mariana, rebateu o prefeito. “É fácil falar que aqui é bom. Me tiraram da minha casa e me jogaram aqui com meus quatro filhos”, disse.

Desde que foram retirados na Cidade de Deus, na sexta-feira da semana passada, vários moradores acabaram perdendo objetos durante as chuvas, como móveis e até mesmo os colchões onde dormiam.

De acordo com o prefeito, a retirada das famílias da Cidade de Deus foi por meio de ordem judicial e tudo foi planejado. “Não há mudança sem sacrifício. Eles saíram de um lugar que não era digno e agora cada um terá a sua casa própria”, relatou Bernal.

Construções

Os terrenos estão orçados em R$ 40 mil e construção de cada casa está sendo estipulada em R$ 14 mil. Tanto o terreno quanto os materiais de construção, poderão ser pagos pelas famílias em até 300 parcelas. O subsídio será de 40%.

Barracos estão sendo reerguidos. Foto: Kerolyn Araújo
Barracos estão sendo reerguidos. Foto: Kerolyn Araújo

No total, a prefeitura de Campo Grande investirá R$ 3,6 milhões nas obras. A previsão é de que as casas serão entregues em 90 dias.

 

Kerolyn Araújo

Comentários

comentários