Bebê que nasceu com 6 kg e mais de meio metro recebe alta

Henrique Josué Romero veio ao mundo nesta quarta-feira (11) e surpreendeu equipe médica e familiares com peso de 6.045 kg e 55 centímetros. O bebezão nasceu na maternidade do Hospital Soriano Correa da Silva, em Maracaju.

Conforme o médico obstetra Johnny Manffei com seus mais de 3 mil partos no “currículo” é a primeira vez que ele acompanha um fato assim.

Bebezão ficou em observação por 48 horas e foi liberado hoje Foto: Reprodução/ Tudo do MS

“A chegada de Henrique com mais de seis quilos impressionou. Toda equipe ficou surpresa e estamos felizes por ele estar bem e já ter sido liberado”, conta, ao destacar que o recém-nascido ficou em observação por 48 horas, bem como a mãe e foram liberados com bom quadro de saúde.

O bebê mais pesado que o obstetra já havia acompanhado a chegada, conforme conta pesava 5,7 kg. Questionado sobre o sexo, ele diz não recordar. Nesta média (nascidos com 5 kg), conforme o profissional, não é tão incomum.

Henrique era esperado pelo obstetra e pela equipe com o peso de 5 quilos. A expectativa se dava pelo fato do mais recente ultrassom que a mãe Esidra Romero, 36, ter indicado o peso do feto  com média de 5,5 kg.

“Como os exames tem uma margem de erro de 10%, sabíamos que o bebê poderia pesar mais de 5 quilos. Mesmo assim não imaginávamos 6 kg”, disse.

O parto de Henrique foi cesariana. Segundo Johnny, a opção visou preservar a saúde do bebê e da mãe.

Esidra teve diabetes gestacional, o que pode ter impactado para o peso do recém-nascido. Porém, o médico explica que o peso do bebê também pode ser influenciado por fatores como a genética, alimentação da mãe e obesidade.

Quanto a riscos de saúde, devido ao peso incomum para recém-nascido, o médico disse que existe risco de que Henrique possa ter diabetes no futuro.

Conforme mostrou o site Tudo MS, Esidra teve cinco partos e dois filhos nascidos com mais de 4 kg. A filha mais nova do casal tem 10 anos e o mais velho já completou 19, e sexto meninão (Henrique) foi planejado.

Comentários