Bandeira será alvo de investigação e polêmica envolvendo a ‘cor azul’ inflama os bastidores do Flamengo

Lancepress

Bandeira, que apoia a candidatura de Ricardo Lomba, é alvo de investigação (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

A polêmica envolvendo as cores das chapas na eleição presidencial do Flamengo está longe de um fim: uma Comissão de Inquérito, nomeada pelo Conselho Deliberativo, iniciará uma investigação por possível desrespeito ao estatuto do clube por parte de Eduardo Bandeira de Mello, que, como representante do Flamengo, acionou a Justiça contra a decisão do Conselho de Administração e da Comissão Eleitoral de anulação da cor azul do pleito.

O pedido de Bandeira era que a ação fosse a favor de Ricardo Lomba, atual vice de futebol e candidato à presidência da situação. A disputa pela “Chapa Azul” é com o grupo de apoio a Rodolfo Landim, que também protocolou a chapa com a cor. Bandeira e Landim faziam parte do grupo que venceu o pleito em 2012. A recuperação financeira do clube ficou ligada à cor em questão, o que explica a disputa.

A Comissão de Inquérito, nomeada pelo Conselho Deliberativo, é formada por Sérgio Aguiar, Adalberto Ribeiro e Ércio Braga. O inquérito foi aberto pelo presidente do CoDe, Rodrigo Dunshee, após Bandeira ter cometido possível descumprimento do artigo 129, inciso IV e 37 do estatuto – a decisão obriga o mandatário a respeitar as deliberações dos demais poderes, podendo ser suspenso, eliminado ou até perder o mandato.

A proximidade com o pleito presidencial, a ser realizado em dezembro, torna os bastidores do clube da Gávea ainda mais inflamado. É visto com urgência as análises sobre Eduardo Bandeira de Mello, que ainda é investigado por suposto uso do clube para campanha eleitoral para deputado federal. Se a Comissão de Inquérito não apresentar um parecer antes do pleito na Gávea, Bandeira terá seus direitos políticos avaliados pelo CoAd após o encerramento do mandato.

Em um texto intitulado de “A verdade sobre a inscrição das chapas”, o grupo de apoio à candidatura de Ricardo Lomba, nome da situação, posicionou-se sobre o imbróglio envolvendo a “cor azul” e o processo de inscrições das chapas no pleito.

De acordo com o texto, nada mais natural do que a utilização da cor azul pela chapa de apoio a Lomba, visto que é ele (Lomba) “o candidato da continuidade da gestão” e “quem conta com o apoio de todos os Vice-Presidentes departamentais”. Ainda há explicações sobre a ação judicial movida por Eduardo Bandeira de Mello e uma lista de decisões de Bernardo Amaral, presidente do Conselho de Administração, classificadas pelo grupo como “arbitrárias” e parte “do jogo da oposição”, que tenta, “na marra, ser azul e confundir o eleitor”.

Confira, na íntegra, o texto divulgado pelo grupo de apoio a Ricardo Lomba:

“Diante das mentiras espalhadas pela chapa de oposição, nós, da Chapa Azul, nos sentimos na obrigação de vir a público esclarecer sobre o conflito relativo á inscrição das chapas concorrentes para as eleições presidenciais do Flamengo.

Desde a inscrição das chapas, a oposição tenta, na marra, ser azul e confundir o eleitor. Porém, é notoriamente sabido que, nas duas últimas eleições, o presidente Eduardo Bandeira de Mello foi eleito e reeleito pela Chapa Azul, cor que simboliza o resgate da credibilidade e a evolução administrativa e financeira do Flamengo nos últimos 6 anos.

Nada mais natural que nesta eleição, o seu candidato, Ricardo Lomba, utilizasse a mesma cor. É ele o candidato da continuidade da gestão. É ele quem conta com o apoio de todos os Vice-Presidentes departamentais, que compõem o Conselho Diretor.

Mas a chapa concorrentes insiste, desde então, subverter o artigo 151 2º do Estatuto do Flamengo, que dá a preferência da cor “áquele que primeiro protocolar o seu requerimento”, usando de seu pior expediente. E a verdade é que, nós, da Chapa Azul, chegamos primeiro, conforme registro de acesso ao clube.

O presidente do Conselho de Administração, Sr. Bernardo Amaral, entrou no jogo da oposição, ignorou o Estatuto do clube e cometeu uma série de atos arbitrários, num claro favorecimento à chapa de Rodolfo Landim: nomeou uma Comissão Eleitoral composta de apoiadores públicos da chapa de oposição; determinou que nossa chapa não utilizasse a cor azul; recusou-se a encaminhar nossos recursos ao plenário do Conselho de Administração; indeferiu monocraticamente todos os nossos pedidos; ameaçou nossa chapa de sanções não prevista no Estatuto; e tentou regular nossos encontros fora do clube com os associados.

Sem alternativa de diálogo, ingressamos com uma ação judicial em face do clube, em trâmite na 34ª Vara Cível do Rio de Janeiro, para fazer prevalecer o Estatuto Social do Flamengo e um processo eleitoral regular e democrático.

Inconformado, o Sr. Bernardo Amaral ainda ingressou no processo em nome do Conselho de Administração, que é um órgão interno do clube, sem personalidade jurídica, utilizando indevidamente o CNPJ do Flamengo. Pior, contratou escritório de advocacia, sem competência para isso e desconsiderou que somente o presidente do Flamengo tem poderes para representar o clube em Juízo.

No último dia 27 de setembro, o excelentíssimo Juiz Titular daquela Vara deu um ponto final à questão, com sentença a favor da Chapa Azul, assegurando o registro de nome e a utilização da cor azul por nossa chapa.

O que estava em jogo era o desrespeito ao nosso Estatuto e à democracia rubro-negra. E isto não permitiremos.

Como dizia o grande escitior rubro-negro José Lins do Rego, o Flamengo “é clube do povo, é clube de gente que é, por essência, de seiva democrática”.”

QUATRO NOMES DISPUTARÃO A ELEIÇÃO

Os candidatos à presidência do Flamengo estão definidos. O prazo de inscrições chegou ao fim e quatro chapas disputarão a eleição. Por ordem alfabética, seguem os candidatos e os respectivos grupos de apoio: José Carlos Peruano (Coração Valente), Marcelo Vargas (Fla Tradição e Juventude), Ricardo Lomba (Avança Mais, Flamengo) e Rodolfo Landim (Unidos pelo Flamengo).

Ainda não há data para a realização do pleito presidencial, mas a tendência é de que aconteça no segundo fim de semana de dezembro, após o termino do Campeonato Brasileiro. O atual cenário indica que dois nomes disputarão, de fato, os votos: Ricardo Lomba, (atual VP de futebol, candidato da situação e apoiado por Eduardo Bandeira de Mello), que tem como candidato a vice Walter Oaquim, e Rodolfo Landim, que tem Rodrigo Dunshee de Abrantes, presidente do Conselho Deliberativo do Rubro-Negro, como candidato a vice.

Comentários