Bancos gregos reabrem após três semanas com as portas fechadas

Os bancos da Grécia reabriram as portas nesta segunda-feira, após permanecerem fechados por três semanas numa tentativa de evitar um colapso do sistema bancário local. Apesar disso, quase todas as restrições impostas a transações financeiras continuam em vigor, numa demonstração de que o país ainda continua distante da normalidade econômica.

Foto Reuters
Foto Reuters

O governo grego prevê novas deserções de legisladores à medida que se prepara para submeter ao Parlamento, na quarta-feira, uma segunda rodada de medidas de austeridade que balizam o pacote de resgate que Atenas obteve de seus credores internacionais há uma semana. A votação pode intensificar as preocupações sobre a estabilidade do governo do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, que luta para convencer seu partido, o esquerdista Syriza, a aceitar o acordo fechado com os credores.

A maior parte dos controles de capitais, incluindo limites para saques e transferências, continua valendo nos bancos gregos. A partir de hoje, porém, os clientes poderão acumular o direito de fazer saques diários de 60 euros e sacar 420 euros, de uma única vez, no fim da semana.

Os bancos reabertos oferecem apenas serviços básicos, como o pagamento de contas pessoais, que nas últimas semanas só podia ser feito via internet. Os clientes também poderão voltar a acessar valores depositados em cofres. A Bolsa de Atenas, que não opera desde 29 de junho, permanecerá fechada hoje.

A Grécia tem uma dívida de 4,2 bilhões de euros a saldar hoje com o Banco Central Europeu (BCE). Além disso, o país precisa pagar cerca de 2 bilhões de euros em empréstimos atrasados ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Na sexta-feira, Atenas garantiu um financiamento de curto prazo de 7 bilhões de euros do fundo de resgate da União Europeia, conhecido como Mecanismo Europeu de Estabilidade Financeira (EFMS, na sigla inglês).

VEJA

Comentários

comentários