Bachelet vai à Venezuela para se reunir com Maduro e Guaidó

Por Agência EFE / Portal G1

A alta comissariada da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet — Foto: Reuters/Denis Balibouse/File Photo
Alta comissariada da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet — Foto: Reuters/Denis Balibouse/File Photo

A alta comissária da ONU para os direitos humanos, Michelle Bachelet, visitará a Venezuelana próxima semana. Ela deve se encontrar com Nicolás Maduro e também com Juan Guaidó.

O escritório da ONU negociou para acertar com as autoridades venezuelanas os termos dessa missão.

A visita acontecerá entre os dias 19 e 21. Na agenda estão previstos ainda encontros com membros da opositora Assembleia Nacional (Parlamento) e da governista Assembleia Constituinte, além de ministros venezuelanos.

Montagem com imagens de Juan Guaidó e Nicolás Maduro, que vão ter encontros com Bachelet — Foto: STF / AFP
Montagem com imagens de Juan Guaidó e Nicolás Maduro, que vão ter encontros com Bachelet — Foto: STF / AFP

Vítimas de violações de direitos humanos também terão encontro com Bachelet

Como parte do que foi acertado com as autoridades, a ex-presidente chilena também se reunirá com vítimas de violações dos direitos humanos e seus familiares, além de conversar com líderes de diversos setores da sociedade civil, da comunidade empresarial, de sindicatos, de igrejas e instituições de ensino.

Pelo lado do Judiciário, a alta comissária será recebida pelo presidente da Suprema Corte, Maikel Moreno, e pelo procurador-geral, Tarek Saab, além do defensor do Povo, Alfredo Ruiz.

Está previsto que a alta comissária faça uma declaração no último dia da viagem.

A visita de Bachelet à Venezuela foi negociada durante vários meses e foi precedida de uma missão em março que teve como intuito verificar se existiam as condições para a chegada da alta comissária.

Sua viagem faz parte de um convite que o governo venezuelano fez e que o seu próprio escritório solicitou. A missão foi preparada com muito cuidado para que não seja usada pelo governo ou por nenhum outro ator político para benefício próprio.

Comentários