Athayde Nery lança livro de poesias “Estrelas Líquidas” na Morada dos Baís

Foto Divulgação
Foto Divulgação

O secretário de Cultura, Turismo, Empreendedorismo e Inovação, Athayde Nery, lança no dia 17 de maio, terça-feira, em Campo Grande o livro de poesias “Estrelas Líquidas”, editado pelo Grupo Arandú e já lançado em Dourados em 2013. Essa é a terceira experiência no campo literário do advogado e poeta Athayde Nery, que também é autor de “Silêncio escancarado” (1993) e “Tereré com água guarani” (2003), ambos de poesia. Estrelas Líquidas, segundo Athayde Nery, “ é inspirado na lágrima de uma criança e fala da necessidade de recuperarmos essa pureza”.

Para Carlos Magno Miere Amarilha, presidente do Grupo Literário Arandu, o livro é uma espécie de viagem feita com muita emoção, em caminhos que permitem a nossa mente voar bem alto e poder transformar a leitura em momentos deliciosos “que se estrelam no ar”. “O poeta Athayde Nery de Freitas Junior com suas ideias, suas imagens, seus símbolos, edifica em ritmo de palavras que nos levam para um mundo de encanto, do improviso, da surpresa, da imaginação criadora e do silêncio que também participa ativamente com a sua própria substância invisível entre o tom da palavra poética”.

O poema permanece em uma postura de tensão frente ao desconhecido, o inusitado e por isso as palavras adquirem na frase sua peculiar força significativa. O ritmo registra a pulsação das palavras em combinação entre si — designando coisas. O poeta sente muita dor com os palestinos em dia de bombardeio e faz um soneto, lembra igualmente os índios urbanos e por isso, em “somos humanos por sermos Índios”, o poeta homenageia os amigos da época de estudante de direito em que morou na cidade de Dourados.

Athayde Nery de Freitas Junior viaja com as letras e personifica algo a mais entre o concreto e o abstrato, já que a frase poética adquire movimento e densidade semântica, nesse sentido, o poeta é seu artesão, em que escolhe a cor, o brilho e a intensidade de seu ritmo para a construção de seus poemas do qual deixa a sua marca explícita, visível, que sustentam a novidade e o deslumbramento do dizer poético. Segundo Zito Ferrari, professor da UFMS e superintendente de cultura da Sectei, Athayde está bem maduro como poeta. “Além da sensibilidade, consegue imprimir uma métrica poética muito boa. Pode-se compará-lo aos melhores poetas sul-mato-grossenses. Criativo, explora motes do cotidiano. Trabalha muito com o tema ser humano e a urbanidade”.

O poeta Athayde Nery diz ainda que ”o livro foi concebido em uma fase onde a internet está dominado as relações. Precisamos recuperar o olhar para o outro…olhar os detalhes… E isso é ainda mais atual hoje, em 2016”. Athayde também comemora a oportunidade de mostrar o Estrelas líquidas para o leitor campograndensse. “Como a editora é de Dourados, acabamos lançando o livro somente lá em 2013. Poder fazer isso agora em Campo Grande tem um sabor especial, pois é a cidade onde vivo.”
O LANÇAMENTO SERÁ NA TERÇA-FEIRA , DIA 17, ÀS 19H NA Morada dos Baís. Na ocasião, também será lançada a revista Arandu, editada pelo Grupo Literário de mesmo nome.

O autor

Athayde Nery de Freitas Júnior, é advogado, foi presidente da Associação dos Servidores do Poder Judiciário da Comarca de Dourados – MS; vice-presidente da Associação dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso do Sul; presidente da Federação dos Servidores Públicos do Estado de Mato Grosso do Sul (Federasul); é presidente do Diretório Estadual do Partido Popular Socialista (PPS/MS); exerceu quatro mandatos como vereador; entre 2010 e 2011 foi presidente da Fundação Municipal de Cultura do Município de Campo Grande, diretor-executivo do Fórum Nacional de Secretários de Cultura das Capitais do Brasil, presidente do Conselho Municipal de Cultura de Campo Grande e idealizador do Plano Municipal de Cultura de Campo Grande.

Seu livro de poemas não tem início, meio ou fim, começa onde o leitor o abrir e poderá passear e fisgar um monte de poesias. Abaixo, uma de suas poesias:

ESTRELAS LÍQUIDAS

Momentos de glória:
lágrimas escorrendo devagarinho
até criar gotas no queixo
que se estrelam no ar

Atrás desse
Quintal não
tem muro
Por isso não fiz passagem.

Comentários

comentários