Atentado contra mesquita deixa seis mortos no Canadá

Ao menos seis pessoas morreram e oito ficaram feridas neste domingo (30/01) num atentado contra uma mesquita em Quebec. Dois homens encapuzados atiraram contra frequentadores de centro islâmico, horas depois de o premiê canadense declarar que vai receber refugiados rejeitados pelos EUA. Trudeau classifica ataque como terrorista.

“Condenamos esse ataque terrorista contra muçulmanos em um centro de culto e refúgio”, disse o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, em comunicado.”Muçulmanos canadenses são uma parte importante da nossa nação, e esses atos sem sentido não têm lugar nas nossas comunidades, cidades e país”, disse.

O porta-voz da polícia local, Étienne Doyon, informou que dois suspeitos foram detidos, mas as identidades não foram reveladas. Os agressores teriam entrado no Centro Cultural Islâmico de Quebec com capuzes e atirado contra os cerca de 50 fiéis que estavam presentes no local. De acordo com informações, alguns dos feridos se encontram em estado grave. As vítimas tinham entre 35 e 70 anos.

O presidente do centro islâmico, Mohamed Yangui, disse que o tiroteio ocorreu na ala masculina da mesquita. O governador da província do Quebec, Philippe Couillard, afirmou que o espírito de solidariedade vai permanecer e que todos os moradores da província estão demonstrando horror pelo o que aconteceu.

Tensões

O ataque ocorreu horas depois de Trudeau declarar que o Canadá vai receber os requerentes de asilo rejeitados pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

“Para aqueles que fogem de perseguições, terrorismo e guerra, os canadenses vão recebê-los, independentemente da sua fé. A diversidade é a nossa força #BemVindosaoCanadá”, escreveu o primeiro-ministro no Twitter.

Desde que foi eleito, no final de 2015, Trudeau supervisionou a chegada de mais de 39 mil refugiados sírios ao país.

O presidente francês, François Hollande, condenou o que chamou de “odioso ataque” em Quebec. “É o espírito da paz e a abertura das pessoas do Quebec que os terroristas querem atingir”, disse Hollande.

KG/efe/lusa/ap

Comentários