Apuração descobre que 153 mortos recebiam Bolsa Família em Campo Grande

Cerca de 5.232 mil cadastros de beneficiários do Programa do Governo Federal, o Bolsa Família, estão sendo investigados em Campo Grande. Entre eles estão empresários, servidores públicos e pessoas já falecidas. Também há doações 100 vezes superior aos valores do Bolsa Família, com valores irrisórios das campanhas de 2012 e 2014, alguns chegam a R$ 13 mil.

 Informações foram apresentadas hoje em coletiva
Informações foram apresentadas hoje em coletiva

As informações foram apresentadas hoje pela secretária de Assistência Social, Marcela Rodrigues Carneiro e o secretário de Finanças do município, Disney Fernandes.“Recebemos também uma lista de beneficiados com suspeita de irregularidades do Ministério Público Federal, estamos fazendo as visitas e cruzando as informações”, explica Marcela.

Os beneficiários são inscritos no Cadastro Único, que é o banco de dados que promove todas as informações para programas sociais. 125 mil pessoas estão cadastradas no CadÚnico, mas nem todas são beneficiárias.

“Dentre as 125 temos em Campo Grande, 25.159 famílias beneficiarias”, informa a secretária. A média do valor é de R$ 150, com um impacto mensal de R$ 4 milhões mensais. Entre as irregularidades, foi averiguado que 86 pessoas, beneficiários do Bolsa Família doaram para campanhas eleitorais de 2012 e 2014; 11 servidores também doaram e cerca de 4.5 mil empresários recebem o benefício. Pessoas falecidas que continuaram recebendo somam 153.

Os técnicos da prefeitura enviam as informações para o Ministério do Desenvolvimento Social, o MDS, que faz o bloqueio do benefício, até que a investigação seja concluída. O prazo é de 60 dias, mas a prefeitura já pediu um prazo maior.

Comentários

comentários