Após vídeo, Justiça ordena retenção de passaportes de atletas dos EUA

A Justiça do Rio determinou a apreensão do passaporte dos nadadores americanos Ryan Lochte e James Feigen.

Eles relatam ter sido assaltados à mão armada após saírem de uma festa na Lagoa, na Zona Sul, na madrugada do domingo (14).

A polícia do Rio disse que pode mudar a linha de investigação para saber exatamente o que os nadadores, que estavam acompanhados de mais dois atletas da delegação dos EUA, fizeram naquela madrugada.

O nadador americano Ryan Lochte foi assaltado após festa durante a Olimpíada (Foto: AP Photo)
O nadador americano Ryan Lochte foi assaltado após festa durante a Olimpíada (Foto: AP Photo)

O Comitê Olímpico dos Estados divulgou nota afirmando que, por questões de segurança, não pode confirmar a localização atual dos atletas (leia mais abaixo). Segundo o “New York Times”, o advogado do nadador Ryan Lochte confirmou para o jornal que o atleta já está nos Estados Unidos.

De acordo com pessoas ligadas ao inquérito, um vídeo divulgado na terça-feira (16) pelo jornal britânico “Daily Mail” aumentou as contradições sobre o relato — como o número de assaltantes e o fato de o celular não ter sido levado. A polícia diz que a linha de investigação pode passar de roubo para falsa comunicação de crime. Por isso, a determinação da Justiça de apreender os passaportes do quarteto.

O caso só foi revelado porque um dos atletas, Ryan Lochte, disse à mãe que tinha sido alvo de um crime. O Comitê Olímpico Internacional (COI) chegou a afirmar que a história não era verdadeira (leia mais abaixo). Depois de entrevistas a meios dos EUA, os nadadores foram convidados a depor sobre o crime.

Brincadeiras na chegada

A entrada na Vila Olímpica, segundo as imagens do circuito interno, ocorre cerca de três horas depois do horário da saída da festa no relato à polícia. O assalto foi no caminho de volta, segundo as declarações de Lochte e Feigen.

Ao analisar as imagens, os investigadores estranharam o fato de os atletas terem chegado aparentemente calmos ao local, que fica na Barra da Tijuca, Zona Oeste.

Lochte, 12 vezes medalhista olímpico, chega a brincar, batendo com a credencial em Feigen.

Nas declarações dadas à polícia, os nadadores disseram estar tão embriagados que não conseguiam distinguir onde exatamente foram roubados, apesar de terem dito que teria sido na Lagoa. Também afirmaram que não saberiam definir o tipo de táxi que pegaram.

No vídeo da câmera de segurança, os atletas não aparentam estar tão bêbados como afirmaram.

Os investigadores da Polícia do Rio acreditam que, se o caso não tivesse chegado à mídia, os atletas não teriam ido à delegacia. Lá, ainda segundo pessoas que tiveram acesso ao inquérito, apresentaram versões destoantes.

Comitê dos EUA

Patrick Sandusky, chefe de assuntos externos do Comitê Olímpico dos Estados Unidos, divulgou a seguinte nota:

“A polícia local chegou à Vila Olímpica esta manhã e pediu para se encontrar com Ryan Lochte e James Feigen e recolher seus passaportes com o objetivo de assegurar futuramente o testemunho dos atletas. A equipe de natação saiu da vila após o fim da competição e nós não temos condições de apresentar os atletas.

Além disso, como parte de nosso protocolo de segurança, nós não tornamos públicos os planos de viagem dos atletas e dessa forma não podemos confirmar a localização atual dos atletas.

Nós continuaremos a cooperar com as autoridades brasileiras.”

Taxista

Os agentes ainda procuram o motorista do táxi que teria levado os nadadores de uma festa na Casa da França, na Lagoa, à a Vila Olímpica. A polícia tem as imagens do posto de gasolina, onde os atletas pegaram o táxi, e busca registros de câmeras de segurança que ficam no trajeto.

À rede americana NBC, Ryan Lochte contou que estava com outros três nadadores. Segundo ele, homens pararam o táxi, mostraram distintivos e apontaram uma arma para eles. Lochte disse que eles tiveram que deitar no chão. Os suspeitos levaram o dinheiro e a carteira dele, mas deixaram a credencial e o celular.

A polícia estranhou o fato de o celular não ter sido roubado, já que o aparelho também funciona no Brasil.

Na manhã de domingo, o porta-voz do COI disse que recebeu uma mensagem do comitê dos Estados Unidos dizendo que a história não era verdadeira.

Depois, o Comitê Americano divulgou uma nota afirmando que os atletas foram parados por homens armados, agindo como se fossem policiais, e disse que os quatro nadadores estão colaborando com as investigações. (G1)

Comentários

comentários