Após temporal, prefeitura trabalha para a Capital voltar à normalidade

A prefeitura de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep), mantém equipes nas ruas para conter e recuperar os estragos causados pela forte chuva que caiu na tarde desta quarta-feira (3).

Com a ajuda de um caminhão pipa e pás-carregadeiras, os trabalhadores executam, neste momento, o serviço de limpeza da Avenida Nelly Martins (Via Parque), na proximidade do Parque das Nações Indígenas, onde houve o transbordamento do lago.

De acordo com a Sisep, até amanhã será executada a obra para reconstituição da encosta do gabião em um trecho do Córrego Prosa, que rompeu com a força da enxurrada. Os mesmos serviços serão feitos na Avenida Rachid Neder com a Avenida Ernesto Geisel, cujo local teve parte do asfalto arrancado. A equipe vai fazer a limpeza no local e reconstituir a pista.

A prefeitura já mobilizou a Solurb para reforçar o serviço de limpeza nas ruas e desobstrução dos bueiros. Além disso, diversas vias da cidade tiveram os semáforos desligados após a queda de energia. O serviço já foi restabelecido na maior parte dos equipamentos.

Rotatória da Avenida Rachid Neder

O prefeito Marquinhos Trad disse que ontem, logo após o temporal, foram deslocadas 500 trabalhadores para os locais atingidos e hoje esse número está em 700. O prefeito destacou a ‘raridade’ da chuva, como o Página Brazil noticiou no fim da tarde sobre quantia e volume das águas. “Os especialistas nos informaram que foi um evento raro, sem comparação”, diz Trad, completando que em 1h15, choveu 36 milímetros e a quantia grossa da chuva é que piorou a situação.

“O que chamou mais atenção, e provocou tanto estragos, como alagamentos nos principais córregos, foi explicado em linguagem mais fácil de entender, sobre a grossura das gotas de água. Foi uma chuva de densidade potencial alta”, informou Marquinhos, usando a linguagem técnica.

A Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) irá manter equipes de plantão para garantir a segurança no trânsito, principalmente nos locais em que os estragos foram maiores, com quedas de árvores ou transbordamentos.

De acordo com a Defesa Civil, um total de seis quedas de árvores foram registrados através do número 199.

Avenida Rachid Neder com Ernesto Geisel

 

Comentários