Após não ser atendido em UPA. homem morre com suspeita de dengue

Fernando Pinheiro da Silva, 27 anos
Fernando Pinheiro da Silva, 27 anos

A manhã desta sexta-feira (1) foi marcada pelo inicio da paralisação dos enfermeiros de Três Lagoas, greve que interrompeu o atendimento de toda a rede publica de saúde e que prejudica toda a população da cidade.

A data também deu inicio à trajetória de uma família que terminou em tragédia.

Por volta das 10h Fernando Pinheiro da Silva, 27 anos, procurou ajuda na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) apresentando dores no corpo e febre alta, quadro este que o classificou como estado de urgência e por este motivo recebeu atendimento.

A médica que atendeu o paciente, examinou Fernando e constatou que o homem estaria com suspeita de dengue, solicitou exame de sangue para confirmar a suspeita e solicitou que o mesmo retornasse no dia seguinte para a leitura do resultado.

Durante o atendimento, Fernando recebeu doses de três antitérmicos diferentes para abaixar a febre e após ser examinado, a médica receitou Dipirona Sódica e deu alta ao paciente.

Por volta das 15h o homem voltou a passar mal, sua temperatura subiu novamente e Lorraine, sua esposa, levou Fernando novamente ao UPA, chegando ao local tiveram muita dificuldade para conseguir atendimento, pois os enfermeiros na porta alegavam que a unidade estava em greve e que se encaminhassem para outra unidade de atendimento, após uma longa discussão a equipe atendeu o paciente.

Fernando foi examinado novamente, seu exame foi analisado e constatado como dengue, o procedimento adotado para tratar a doença foi ministrar uma dose de soro, receitaram um reidratante para tomar em casa e em seguida o homem foi liberado.

Na madrugada de sábado (2) por volta das 2h, o quadro de Fernando piorou muito, ele passou a evacuar sangue e ter dificuldade de respirar, foi quando Lorraine levou novamente o marido ao UPA.

Chegando ao local o enfermeiro barrou a entrada do casal e disse que estavam em greve e que não iriam atender mais ninguém, Lorraine implorou por ajuda e questionou da presença de algum médicos na unidade, o enfermeiro informou que havia, mas que não iriam liberar para atendimento e orientou que procurasse outra unidade de saúde.

No trajeto do UPA para o Hospital Auxiliadora, que leva cerca de 5 minutos, Fernando começou a delirar e chamar por ajuda divina e parou de respirar, no momento que chegaram no Auxiliadora a equipe médica prestou pronto atendimento ao homem tentando o reanimar, porem sem sucesso.

Na manhã de sábado (2) a família ainda teve muita dificuldade em localizar o corpo de Fernando e por volta das 11h 30m receberam a informação de um funcionário do hospital que o corpo estava no necrotério do hospital.

Segundo relatos da senhora Ieda Silva, irmã de Lorraine, médicos do Hospital Auxiliadora afirmaram que Fernando deveria ter sido encaminhado pelos médicos do UPA para internação logo no primeiro atendimento.

A família foi orientada a procurar um representante do ministério público estadual para denunciar a omissão de socorro bem como o medicamento que foi prescrito indevidamente.

Por volta das 15h a esposa do Fernando e demais familiares se encaminharam ao DEPAC, onde prestaram queixa por omissão de socorro contra os funcionários do UPA.

A família que é natural do município de Entre Rios no estado da Bahia, busca meios de levar o corpo de Fernando de volta para sua cidade para realizar o velório do homem.

Lorraine, está grávida de 5 meses do primeiro filho de Fernando.

De acordo com a assessoria de imprensa do Hospital Auxiliadora a UPA esta negando atendimento de modo geral e encaminhando todos os pacientes para o hospital.

Rádio Caçula

Comentários

comentários