ANADEP lança a campanha “Racismo se combate em todo lugar: Defensoras e Defensores Públicos pela equidade racial”

Evento virtual acontece no dia 17 de maio pelo canal do YouTube da Associação

Você com certeza já ouviu algum relato sobre racismo, seja na TV, no rádio, na internet ou até mesmo onde você mora. O que muitas pessoas não sabem é que o racismo não está presente apenas em formas de discriminação e xingamentos, ele é naturalizado em nosso dia a dia de outras formas.

Apesar de representarem mais da metade da população brasileira, pessoas indígenas, negras, quilombolas e povos tradicionais são historicamente os segmentos mais excluídos e sofrem com a discriminação em vários setores da sociedade. Elas são as maiores vítimas de homicídio, têm maior dificuldade no acesso à saúde, educação, cultura, emprego, moradia digna, postos de liderança, além de serem impactados de maneira desproporcional pelos efeitos negativos dos problemas que o Brasil enfrenta nos temas da segurança pública e violência doméstica, por exemplo.

Por tudo isso, a Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (ANADEP), as Associações Estaduais e Distrital de Defensoras e Defensores Públicos e as Defensorias Públicas estaduais e Distrital lançaram a campanha temática “Racismo se combate em todo lugar: Defensoras e Defensores Públicos pela equidade racial”.

A iniciativa visa fomentar a necessidade de equidade étnico-racial no acesso a direitos e às políticas públicas de pessoas indígenas, negras, quilombolas e povos tradicionais e quer provocar a sociedade, o Estado e a imprensa para que o antirracismo seja uma luta de todas e todos por meio da educação em direitos.

No dia 17 de maio (segunda-feira), a partir das 19h, no YouTube da ANADEP (www.youtube.com/canalANADEP), acontecerá o lançamento oficial da Campanha. A live contará com a participação da presidenta da ANADEP, Rivana Ricarte; da presidenta do Condege, Maria José de Nápolis; da coordenadora da Comissão Temática da Igualdade Étnico-Racial da ANADEP, Clarissa Verena; do senador Paulo Paim (PT-RS); e da deputada Talíria Petrone (PSOL-RS). O lançamento faz parte da programação do webinário “#DefensoriaemPauta: desafios para o acesso à justiça” que visa celebrar o dia alusivo à Defensoria Pública, à defensora pública e ao defensor público (19 de maio).

Para Ilton Aparecido de Assis, Defensor Público Estadual aposentado e associado da ADEP-MS (Associação das Defensoras e Defensores Públicos de Mato Grosso do Sul), a discriminação é um problema cultural que o Brasil ainda não conseguiu se desvencilhar. “É um fator que ainda está enraizado na cultura do povo brasileiro e enquanto os responsáveis pela administração do país, dos estados e municípios não adotarem a postura de incluir nas grades escolares, desde a primeira infância, o ensinamento de respeito a essas consideradas desigualdades, para que as gerações futuras conheçam isso apenas na história, o combate a esse mal não surtirá nenhum efeito”, comenta.

“É preciso capacitar os futuros pais, dentro do próprio lar e também no ensino, a passarem para os filhos o olhar diferenciado a alguém que tenha uma cor diferente, olhos puxados ou utilizem adereços de sua cultura. Só assim vejo a forma de extirpar a discriminação racial”, complementa.

De acordo com o Defensor Público, o indivíduo deve lutar sempre e liderar lutas, convencendo mais pessoas da necessidade de busca por um mundo mais humanizado. Cabe também as

empresas e instituições o trabalho no âmbito da educação do povo com intuito de afugentar o mal disseminado com a discriminação racial, pois, o compromisso empresarial e das instituições é extremamente relevante para a modificação do comportamento humano.

*com assessoria