Amor bandido foi causa de morte de manicure e travesti

Foi apresentado à imprensa na manhã desta terça-feira (15), Alisson Patrick Vieira da Rocha, 22 anos, considerado pivô da morte da manicure Jennifer Nayara Guilhermete de Moraes, 22 anos, assinada a tiros pela mulher de Alisson, Gabriela Antunes dos Santos, também da mesma idade, no dia 15 de janeiro.

Alisson foi preso na última sexta-feira (11) na casa dos pais, no bairro Nova Bahia. Apesar de ser considerado pivô do assassinato de Jennifer, ele não teve nenhum envolvimento com a morte da manicure, mas estava foragido pelo homicídio da travesti Thiago da Silva Martins, 22 anos, conhecido como “Penosa”. O amor bandido entre Alisson e Gabriela vitimou duas pessoas.

Alisson foi preso na última sexta-feira (11). Foot: Ivan Silva
Alisson foi preso na última sexta-feira (11). Foto: Ivan Silva

De acordo com o delegado Alexandre Evangelista, da 2ª Delegacia de Polícia Civil da Capital, Thiago foi morto por Alisson no dia 22 de março de 2015. “Ele chegou em casa e encontrou a vítima usando drogas com Gabriela. Ele repreendeu os dois e se desentendeu com a travesti”, explicou. Ainda segundo Evangelista, Thiago agrediu Alisson com uma cadeira e começou a quebrar a casa do casal.

Para se vingar, momentos após a briga Alisson foi até a oficina mecânica onde trabalhava e, armado, junto com um adolescente, foi até onde a travesti estava, na rua Tesourinho, no bairro Morada Verde, e atirou três vezes contra a vítima. Após o crime ele fugiu.

A polícia chegou até a autoria do crime por meio de uma ligação que Gabriela fez para a polícia. No momento da briga entre o marido e a travesti, ela acionou a Polícia Militar pedindo socorro, porém quando os militares chegaram ao local, Thiago já estava morto. Na ocasião, Gabriela afirmou que não sabia quem teria cometido o crime.

Com o cabelo de outra cor, Gabriela se apresentou à polícia. Foto: Kerolyn Araújo
Com o cabelo de outra cor, Gabriela se apresentou à polícia. Foto: Kerolyn Araújo

Na época o adolescente tentou assumir a autoria do crime, mas depois acabou confessando que quem havia matado a travesti era o Alisson.

Caso Jennifer

Quase um ano após a morte da travesti, foi a vez de Gabriela cometer um crime por causa de Alisson. Durante depoimento, a autora contou para a polícia que matou Jennifer por ciúmes, já que ela teria tido um caso com Alisson.

Jennifer foi morta na tarde do dia 15 de janeiro. Foto: Reprodução/ Facebook
Jennifer foi morta na tarde do dia 15 de janeiro. Foto: Reprodução/ Facebook

O pivô do crime assumiu que teve um relacionamento amoroso com Jennifer em uma das vezes que separou-se de Gabriela. Segundo informações da polícia, o casal vivia um relacionamento conturbado e com diversas brigas.

Fim do inquérito

Gabriela e a amiga Emilly Karoliny Leite, 19 anos, que estava com ela no momento do assassinato de Jennifer, estão presas e responderão pela morte da manicure. Já Alisson responderá apenas pela morte da travesti, já que não há indicios de que ele sabia do crime que a esposa cometeria.

Kerolyn Araújo

Comentários

comentários