Amigos preparam manifesto pedindo justiça pela morte de Adriano

Paulo Francis

Foto Reprodução/WhatsApp

Um grupo de pessoas composto por amigos, clientes e populares em geral que se comoveram com o caso do empresário de Adriano Correia, de 33 anos, morto no último dia 31, está organizando uma manifestação para o próximo sábado (7), na Praça Ary Coelho, em Campo Grande. A concentração está prevista para ás 15h, e do local as pessoas seguirão em passeata até o local onde aconteceu o crime.

Uma das idealizadoras do movimento, a atendente de farmácia Suelen Souza, de 28 anos, explicou a Página Brazil, que ato tem o objetivo de pedir que seja feita justiça ao policial rodoviário federal Ricardo Hyun Su Moon, que ganhou o direito de responder pelo crime em liberdade.

“Não conhecia o Adriano intimamente, mas era eu cliente do restaurante e por isso acabei virando colega dele. Todos nós todos ficamos indignados pelo Ricardo ser solto, com certeza é porque ele é policial, não existe legitima defesa se o Adriano não estava armado, se ele quisesse parar o carro havia varias formas de fazer isso e não tirando a vida de uma pessoa inocente”, frisa Suelem.

A organizadora destaca que ela um amigo de Adriano criaram um grupo hoje (03), no aplicativo WhatsApp e fizeram postagens em grupos do Facebook para divulgar o movimento, diante disso houve uma grande repercussão e procura por parte da população da Capital.

“Nosso grupo está aumentando bastante, até o momento temos mais de 200 membros no WhatsApp, as postagens tiveram mais de 2 mil curtidas nas redes sociais. Estamos convocando toda população para participar dessa manifestação, camisetas estão sendo confeccionadas, quem não puder adquirir pedimos que vá de camiseta branca no dia, mas não deixem de comparecer, levar o seu cartaz e pedir justiça para que esse crime não fique impune.

E.J. 17 anos, amigo da vítima e também organizador do manifesto, não consegue deixar de lado a sua indignação com o caso. Segundo ele a ideia de chamar a atenção da sociedade perante o caso surgiu no mesmo dia do crime, mas só foi posto em prática hoje.

“Não podemos aceitar que uma pessoa tão querida seja morta assim. Ele era uma pessoa muito feliz, alegre, soube que inclusive ele chegou a pedir desculpa ao policial e pelo que eu o conheço dinheiro e bens materiais não era o mais importante para ele”.

A sobrinha de Adriano, Ana Paula Barbosa, 24 anos, ressaltou que o manifesto não foi organizado pela a família, mas sim por amigos do Adriano e pela população, e que todos ainda estão muito abalados com o caso, entretanto grande parte da família deve estar presente no dia.

“Essa manifestação não está sendo organizada por nossa família, são amigos do Adriano e pessoas que até mesmo nem conhecemos, mas que se solidarizaram com o que estamos passando. Com certeza todos nos estaremos lá presentes, muitas pessoas nos ligaram para saber a respeito, querendo saber se podem participar, e quanto mais pessoa tiver, será melhor”.

Ana Paula afirma que a família planeja organizar futuramente outros manifestos em locais de grande movimento da cidade com o intuito de chamar a atenção da sociedade autoridades para este caso.

Comentários