Ameaças e assassinatos de jornalistas crescem 30% no Brasil

Terra/RA

Nas últimas semanas, a mídia repercutiu ameaças contra a vida de dois jornalistas de TV.

O repórter Carlos de Lannoy, da Globo, foi atacado no Instagram após matéria no Fantástico a respeito dos agentes do Exército que metralharam o carro de um inocente, no Rio. O motorista morreu.

O agressor disse que o jornalista e a família dele iriam “pagar com a vida” por “defender bandido” e mexer com o Exército.

Guga Chacra, comentarista da Globo News em Nova York, se tornou alvo no Twitter. “Quero ver você morto a paulada”, escreveu um usuário do microblog, aleatoriamente.

O âncora do Brasil Urgente, José Luiz Datena, já perdeu a conta de quantas mensagens intimidadoras recebeu por defender ações policiais e, eventualmente, criticar policiais com má conduta.

Esses três exemplos corroboram os índices do levantamento feito pela organização não-governamental de direitos humanos Artigo 19 em relação à violência contra jornalistas no Brasil.

Em 2018 foram 35 casos, mesmo número de 2012 e 2015, e um crescimento de 35% na comparação com 2017.

Registrou-se 26 ameaças, 1 sequestro, 4 tentativas de homicídio e 4 assassinatos.

As principais vítimas foram jornalistas (17 profissionais). Depois, radialistas (12 casos), blogueiros (4) e proprietários de veículos de comunicação (2).

Criticar os jornalistas faz parte da liberdade de expressão e opinião. É algo aceitável – e até saudável – na esfera democrática. Quem trabalha na imprensa não está acima do bem e do mal.

O problema é quando o direito de contestar vira um ato criminoso. Calúnia, difamação e ameaça são delitos previstos no Código Penal.

Carlos de Lannoy e Guga Chacra acionaram as autoridades contra quem os intimidou.

Hoje, os crimes virtuais não ficam impunes – e uma resposta contundente precisa ser dada para evitar que esse tipo de delinquência se torne corriqueira.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu cometário!
Por favor, insira seu nome aqui