Amarildo alerta sobre os impactos da exploração do gás Xisto no Estado

Da Redação/JN

O deputado estadual Amarildo Cruz (PT), 2º secretário da Casa de Leis, ocupou a tribuna nesta manhã (12) para reforçar o convite para a Audiência Pública “Impactos na extração do gás de Xisto no MS”, que será realizada na próxima segunda-feira (16), a partir das 13h30, na Assembleia Legislativa. “Estamos trabalhando na realização deste evento há mais de quatro meses e percebemos que esta questão é pouco discutida e conhecida no Estado. É necessário um aprofundamento sobre o assunto, pois ele é extremamente relevante para o Estado, já que a nossa economia é baseada no uso do solo e dos recursos hídricos”, ressaltou.

Amarildo convida a todos para audiência que debaterá os impactos ambientais da exploração do Gás Xisto Foto: Luciana Nassar

Amarildo Cruz também comentou sobre o Projeto de Lei 3/2018, de sua autoria, que suspende a exploração do Xisto no Estado por dez anos. “Sem conhecermos profundamente o assunto e outras técnicas para a extração do gás de Xisto, a suspensão evita o impacto ambiental, já que a extração é feita por faturamento hidráulico em rochas, uma técnica que pode trazer danos gravíssimos. Foi feito um leilão de áreas pela Petrobras, empresa que constatou a existência do Xisto no Estado, para começar a exploração, e a região inicial é a Bacia do Paraná, que abrange 17 municípios, inclusive Campo Grande”, informou.

O 2º secretário da Casa de Leis fez um apelo à sociedade e aos parlamentares. “Peço que os deputados conheçam sobre o assunto, participem da audiência pública, e também toda população sul-mato-grossense. Todos devem tomar conhecimento disso, pois a exploração do Xisto pode atingir vários municípios. O estado de São Paulo já conseguiu impedir a exploração por liminar do Ministério Público Federal (MPF) e a Assembleia Legislativa do Paraná aprovou lei semelhante ao meu projeto, que foi sancionada pelo governador”, considerou Amarildo Cruz.

Comentários