Alunos da Escola do Sesi da Capital embarcam para Salvador para receber prêmio de desafio nacional de inovação

Foto Divulgação
Foto Divulgação

Um grupo composto por cinco estudantes e dois educadores da Escola do Sesi de Campo Grande embarcou, neste sábado (03), para Salvador (BA), onde será premiado pela participação no Desafio Criativos da Escola 2016. Os alunos cursaram o 7º ano do Ensino Fundamental em 2016 e desenvolveram um amassador portátil de garrafas PET, considerado uma das 11 invenções mais inovadoras do Brasil.

Batizado de “Urupet”, o protótipo foi criado para auxiliar a rotina de catadores de lixo, que consideram o volume das garrafas PET uma das maiores dificuldades no transporte dos resíduos. De acordo com a diretora da Escola do Sesi de Campo Grande, Glaucia Campos, 1.014 iniciativas do País inteiro concorreram com o Urupet, que ficou entre os 11 premiados, único da Região Centro-Oeste.

“O Desafio Criativos da Escola avalia critérios como o potencial de transformação social das ações realizadas e o quanto elas contribuíram para o desenvolvimento da empatia, trabalho coletivo, criatividade e protagonismo dos estudantes”, explicou Glaucia Campos. A coordenadora pedagógica e educacional da Escola do Sesi de Campo Grande, Roselaine Silvestre Teixeira, vai acompanhar os alunos na viagem e, para ela, o colégio deve favorecer a busca do conhecimento nas mais variadas formas.

“O projeto Urupet permitiu aos alunos a plena troca de experiências por meio de um aprendizado mais dinâmico, voltado para questões sociais e ambientais”, analisou Roselaine Teixeira. O trabalho que culminou com a criação do amassador portátil envolveu as disciplinas de ciências, geografia e empreendedorismo. Os alunos fizeram uma pesquisa baseada na figura do catador, como ser social que desenvolve um trabalho de suma importância.

Com o objetivo de reduzir o volume da garrafa PET e utilizando conceitos de robótica, foram desenvolvidos protótipos de amassadores com materiais variados. “O projeto me ajudou a dar uma nova visão sobre a importância do meio ambiente e dos catadores de lixo para a sociedade. O Urupet vai ajudar na preservação da natureza”, acredita a aluna Cássia de Oliveira Marin.

Fernanda de Barros Melle, mãe da aluna Ana Carolina Melle, considera a premiação e a viagem uma oportunidade única para o futuro das crianças. “Ver o entusiasmo dos nossos filhos para desenvolver esse projeto foi muito gratificante. Eles se dedicaram muito com o apoio dos professores e com certeza essa experiência será fundamental para o futuro de todos”, declarou.

Pesquisa e solução

O trabalho que culminou com a criação do amassador portátil envolveu as disciplinas de ciências, geografia e empreendedorismo. Os alunos fizeram uma pesquisa baseada na figura do catador, como ser social que desenvolve um trabalho de suma importância. Com o objetivo de reduzir o volume da garrafa PET e utilizando conceitos de robótica, foram desenvolvidos protótipos de amassadores com materiais variados.

Uma das alunas envolvidas no projeto, Kianny Faria de Almeida, de 12 anos, conta que gostou muito de desenvolver a atividade, principalmente, no momento de entrevistar os catadores. “Eles nos receberam muito bem e a lição que ficou é que devemos fazer tudo o que for possível para diminuir a quantidade de lixo que produzimos”, relatou.

“Identificamos uma necessidade dos catadores que, com o Urupet, vão poder transportar uma quantidade maior de garrafas PET, incrementando a renda”, frisou o aluno Luan Victor Orlandi Mota, 12 anos. O Urupet já havia sido premiado pela associação educativa Junior Achievement de Mato Grosso do Sul, em setembro, quando conquistou o 1º lugar do prêmio “Aprender a Empreender no Meio Ambiente”.

Comentários