AL faz encontro de filhos separados de pais com hanseníase

O destaque da agenda da semana que inicia o mês de julho é para o “Primeiro Encontro de Filhos das Vítimas da Hanseníase que Foram Separados Compulsoriamente dos Pais pelo Estado”.

O encontro foi proposto pelo deputado Amarildo Cruz (PT), vice-presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, e ocorrerá no plenarinho nesta segunda-feira (26/6), das 15h às 18h.

O evento é uma parceria com o Morhan (Movimento de Reintegração de Pessoas Atingidas pela Hanseníase) e tem por objetivo reunir os que foram separadas de seus pais na década de 1990, sensibilizar a população e o governo federal, além de alertar que a hanseníase é uma doença que possui tratamento e cura.

Na década de 1990 muitos filhos foram separados dos pais com a doença e depois da cura nunca se encontraram Foto: Arquivo ALMS
Na década de 1990 muitos filhos foram separados dos pais com a doença e depois da cura nunca se encontraram Foto: Arquivo ALMS

O coordenador nacional do Morhan, Artur Custódio Moreira de Souza, estará presente e a reunião é aberta a toda população.

Segundo informações do Movimento, a separação das famílias atingidas pela hanseníase era imposta como forma de evitar o contágio e os filhos eram levados para educandários ou entregues a outras famílias. Muitos desapareceram, segundo levantou a assessoria do deputado com o Morhan. Depois de liberados, muitos pais que buscaram seus filhos nunca os encontraram.

Para o deputado estadual Amarildo Cruz, a luta é legítima. “Naquela época, os portadores da hanseníase eram ‘caçados’ pela Guarda Sanitária e isolados de seus familiares. Muitas dessas pessoas nunca mais reviram seus entes queridos. É justo que eles sejam indenizados por isso, embora o trauma psicológico não tenha como ser ressarcido”, explica.

A agenda ainda conta com a reserva do plenarinho na terça-feira (30/6) a tarde para CPI da Enersul/Energisa, caso a Justiça conceda permissão para voltar após recurso dos membros e depois da sessão plenária para a reunião da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação).

O local também está reservado na quarta-feira (1/7) para o encontro das comissões permanentes que desejarem se reunir no dia.

Na sexta-feira (3/7) o plenarinho recebe a audiência pública “Monitoramento das Violações dos Direitos Humanos em MS”, proposta pelo deputado Pedro Kemp (PT), que começa às 9h e continua durante a tarde. Pela manhã ocorrerão palestras, uma delas pelo consultor da Organização das Nações Unidas, Enéas Rosa, e no período vespertino oficinas aos participantes.

Serão 15 eixos de atuação: questões indígenas, mulheres, situação população carcerária, criança e adolescente, comunidade quilombola, LGBT, pessoas com deficiências, mulheres camponesas, juventude, população em situação de rua, entre outros.

*Com informações das assessorias dos deputados Pedro Kemp e Amarildo Cruz.

Comentários

comentários