Agricultura familiar movimenta R$ 224 milhões na economia de Mato Grosso do Sul

O presidente da Agraer Enelvo Felini, durante entrevista no programa Capital Meio Dia. (Foto: Paulo Francis)
Presidente da Agraer, durante entrevista no programa Capital Meio Dia. (Foto: Paulo Francis)

O diretor-presidente da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), Enelvo Felini esteve no grupo Capital, em entrevista na Rádio Capital FM 95 e no Página Brazil, onde falou sobre Pronaf  (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), que já recebeu e movimentou R$ 224 milhões na economia de Mato Grosso do Sul. O titular da Agência aponta em nosso vídeo, que os recursos são de extrema importância e que todo produtor deve se preparar e realizar projeto para também, se possível, se beneficiar ou ter disponível a contribuição que é fornecida pelo governo federal com apoio dos Estados. Felini revela que cinco municípios do Estado recebem a maior partes dos recursos, por possuírem maior parcela da Agricultura Familiar, mas que todos os 79 tem credito já disponibilizado.

Felini ressalta que grande parte do recurso captado deve-se a forte aliança entre os pequenos produtores rurais com a Agraer, que é instituição responsável pela elaboração dos projetos de crédito rural do Estado. Do valor total aplicado pelos 79 municípios sul-mato-grossense, R$ 118 milhões foram para custeio (aquisição de sementes, medicamentos e ração para animais, etc), e R$ 105 milhões investimentos (melhoria direta nas propriedades – recuperação de pastagens, compra de animais ou equipamentos, construção ou reforma de armazéns, por exemplo).

O diretor-presidente também fala da importância do Pronaf como sendo um instrumento essencial na expansão das atividades agrícolas e pecuárias, com condições de prazos, juros e carências que caibam no bolso dos produtores rurais. “Além da formulação do documento, a Agraer oferece serviços de Ater [Assistência Técnica e Extensão Rural] para os produtores. Tudo para que eles possam aplicar o dinheiro de maneira correta e que traga um saldo positivo na produção. É esse saldo que vai dar renda as famílias rurais e condições para que o financiamento seja honrado no banco, evitando as inadimplências”, afirma.

Municípios são beneficiados

“O beneficio do Pronaf, é que o recurso adquirido pelos produtores fica no comércio local, gerando riqueza para os municípios. Além da segurança financeira através da garantia do preço mínimo e do seguro pelo Proagro Mais. Existem também programas como PAA [Programa de Aquisição de Alimentos] e PNAE [Programa Nacional de Alimentação Escolar] que incentivam o aumento da área e produção. Assim, a produção da agricultura familiar é consumida, também, nas escolas das cidades e pelos próprios filhos dos agricultores familiares”, completa Felini

O balanço definitivo do crédito rural aplicado em Mato Grosso do Sul, safra 2015/2016, só sairá no final deste mês. Mas, pelo que tudo indica, conforme os dados do Banco Central (BCB) – Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações do Crédito Rural e Proagro (Serop), os cinco municípios que lideram o ranking no Estado são: Dourados (R$ 25 milhões), Fátima do Sul (R$ 9 milhões), Itaporã (R$ 8 milhões), Deodápolis (R$ 7,885 milhões) e Ivinhema (R$ 7,750 milhões).

Plano

O Pronaf faz parte de recursos viabilizados pelo Plano Safra da Agricultura Familiar. O lançamento é feito anualmente, no mês de julho, pelo Governo Federal. No dia 1º de julho, foi anunciada a liberação de R$ 241 milhões para a agricultura familiar. Valor esse que está incluso no montante de R$ 5,19 bilhões do Plano Safra 2016/17.

“Dos R$ 282 milhões liberados para Mato Grosso do Sul, R$ 224 milhões foram movimentados de fato no Estado. Este ano, a União reduziu os investimentos, creio que pelo cenário econômico atual. Contudo, queremos movimentar a maior quantia possível do que foi aprovada”, declara Felini.

 

Comentários

comentários