Agetran diz que “meta é chegar a zero” em números de mortes no trânsito de Campo Grande

Nádia Nicolau

O Tribuna Livre desta quarta-feira (31) recebeu, no estúdio, o diretor-presidente da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), de Campo Grande, Janine de Lima Bruno. Durante a entrevista foi discutida a questão dos radares, aplicação de multas e expressados dados estatísticos.

Em relação ao registros de óbitos no trânsito, o diretor-presidente da Agetran afirmou que, em 2017, Campo Grande “teve o melhor ano da história”, isso porque, mesmo com o aumento da frota de veículos e de pessoas em circulação na cidade, durante todo esse período foram contabilizadas 70 mortes. “A meta é trabalhar para chegar a zero o número de mortes no trânsito de Campo Grande”, declarou Janine.

Segundo Janine, “a instalação de sinalização e a volta dos equipamentos” contribuíram para esse cenário. Ele destacou que mesmo que haja reclamações sobre os radares, “apenas 0,11% das pessoas são notificadas por infrações”, destacando que o grande problema é a velocidade”.

Hora do rush nas vias mais movimentadas

As avenidas Eduardo Elias Zahran e Joaquim Murtinho foram algumas citadas pelo diretor da Agência de Transporte e Trânsito que apresentam mais contestações por porte dos condutores da Capital.

Nos horários de pico, por exemplo, ao longo dessas, e de outras avenidas, costuma se formar filas quilométricas de carros, motos e caminhões e com tráfego lento.

Por falar em caminhões, Janine Bruno adiantou que a Agetran planeja um trabalho para retirá-los de circulação dessas avenidas com grande demanda, garantindo, nas palavras dele, “segurança e fluidez”.

Novos ônibus

Ainda durante a entrevista, o diretor-presidente Janine Bruno disse que, em breve, 55 novos ônibus chegarão em Campo Grande.

Sobre a questão dos horários e atrasos diários dos coletivos, ele explicou que estão sendo feitas obras de corredores exclusivos de ônibus para proporcionar agilidade, embora “o problema dos atrasos não seja de transporte, mas de trânsito”.

Comentários