Advogado pede que fiança de R$ 1 milhão saia dos bens já bloqueados de Puccinelli

Jackson Nogueira

A defesa do ex-governador André Puccinelli (PMDB), indiciado na Operação Máquinas de Lama, braço da Operação Lama Asfáltica, por lavagem de dinheiro e corrupção, diz que se a fiança de R$ 1 milhão imposta pela Justiça Federal não for retirada, o cliente vai tentar outra maneira de pagar o montante que garante a liberdade do ex-governador.

Alvo da Operação Lama Asfáltica tem até às 18h para pagar a fiança arbitrada por juíza federal

Nesta segunda-feira (15), Renê Siufi, fez o que chamou de ‘pedido alternativo’ à Justiça para desconsiderar a imposição da fiança. ”Na verdade é um novo pedido, de reconsideração da decisão”, explicou o defensor. “Eu protocolei nesta segunda-feira , pedido para que a Justiça Federal sequestre R$ 1 milhão das contas ou dos bens que estão bloqueados”, comentou.

Siufi diz que a decisão de rever a necessidade de fiança está nas mãos de um outro magistrado e não da juíza federal substituta, Monique Marchioli Leite, da 3ª Vara Federal de Campo Grande, que manteve a necessidade de pagamento do valor. O prazo para pagar o milhão vence na tarde de hoje.

“O Judiciário deve se manifestar, podendo até estender o prazo de pagamento da fiança para que juiz possa tomar uma decisão”, segundo o defensor.

Questionado se o cliente está aflito, o defensor foi taxativo: ”Claro, quem não estaria em uma situação dessas, é claro que está”.

O advogado está em São Paulo devido a outros compromissos e vai monitorar a situação à distância. Ele deve retornar amanhã a Campo Grande.

Além da fiança, medidas cautelares foram impostas para o ”Italiano”, como é conhecido Andrea Puccinelli no meio político, como o uso de tornozeleira eletrônica, proibição de deixar Campo Grande, de conversar com outros investigados e se recolher para sua residência a partir das 21 horas.

Comentários