Adolescentes que mataram idosa disseram à polícia que são ‘psicopatas’

A professora aposentada Maria Ildonei Lima Pedra, de 70 anos, encontrada morta com um crucifixo e um terço sobre o corpo em 1° de setembro, foi assassinada a golpes de faca por 2 adolescentes de 17 anos, segundo a polícia civil de Campo Grande (MS).

De acordo com o delegado Giulliano Biacio, os jovens premeditaram o crime por meses, e a motivação seria simplesmente a vontade de matar: “Eles se autointitulavam ‘psicopatas’ e estudavam o assunto na internet e em revistas. Os dois se encontraram na escola e um comentou com o outro, ‘acordei com vontade de matar alguém’, esse concordou e ao longo do dia eles decidiram como fazer”, explica.

Facas, crucifixo e até uma arma de brinquedo foram apreendidas com os 2 menores acusados de matar a professora aposentada

As investigações foram concluídas nesta quarta-feira (13) . Segundo o delegado, um dos menores era parente da vítima. Eles foram à casa da aposentada e ficaram conversando com ela por cerca de uma hora. Um deles, que havia trazido uma faca de casa, desferiu com ela um golpe contra o pescoço da idosa. Em seguida, o familiar pegou a mesma faca e golpeou-a no abdômen.

Os jovens ainda levaram luvas de látex e máscaras: “Eles usaram as luvas para poder fazer essa limpeza, foram no quarto, mexeram nas roupas, quebraram o celular da vítima e jogaram debaixo do sofá, e levaram máscaras, para, no caso de haver algum vizinho ali fora, eles pudessem sair sem serem identificados”, explica.

Crucifixo, terço e taças gravadas com sangue
De acordo com o delegado, após o crime, os jovens tentaram deixar uma espécie de ‘assinatura’: “Eles colocaram um crucifixo [sobre o corpo da vítima] e os terços. Em seguida pegaram duas taças, e segundo eles, gravaram com o sangue da própria vítima o número ’31’ em uma, e ‘8’ na outra, representando a data da morte”, conta.

À polícia, os menores disseram que após o crime, “trocaram de roupa e foram para o shopping”. Um deles, que vinha sendo ouvido, confessou o crime aos pais e foi levado à delegacia por eles. O outro foi encontrado em casa: “Os meninos são muito inteligentes, mas são frios”, afirmou o delegado.

Adolescentes tinham máscaras de caveira para “não serem identificados” ao sair da casa da vítima

Por serem menores, a investigação agora será encaminhada para a Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude (DEAIJI) de Campo Grande. Segundo o delegado, o inquérito terá que ser concluído, e uma pericia para valiar a sanidade mental dos jovens poderá ser solicitada posteriormente: “Isso vai depender das partes levantarem, a defesa ou o Ministério Público, responsável pela investigação”, finaliza.

Os dois menores foram recolhidos à Unidade Educacional de Internação (UNEI) em Campo Grande.

Entenda o caso
A professora aposentada Maria Ildonei Lima Pedra, de 70 anos, foi encontrada morta na cozinha da casa dela, no Jardim Leblon, em Campo Grande, por volta das 19h30, do dia 1° de setembro.

Segundo a polícia, sem conseguir contato com a mãe durante todo o dia, o filho foi até a casa dela e encontrou o portão aberto e a porta trancada. Ao entrar, viu o corpo da vítima no chão da cozinha:

“Ela estava de bruços, com o local cheio de sangue, e uma cruz nas costas e um terço na lombar”, explicou na ocasião o delegado Danilo Mansur, plantonista da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Piratininga.

No corpo da idosa, a perícia encontrou perfurações no pescoço e no tórax. A polícia suspeitou que ela tivesse sido golpeada com a ponta da cruz, o que foi descartado. Maria tinha uma extensa carreira como professora e na Federação dos Trabalhadores em Educação de MS (FETEMS).

Comentários