Adolescente apreendido faturava R$5 mil por festa em que vendia drogas

Um adolescente de 17 anos foi detido suspeito de abastecer festas raves em Campo Grande. A ação foi uma das maiores apreensões de droga sintéticas na capital, realizada pela  Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico (Denar) nesta quarta-feira (11).

O delegado responsável pelo caso, João Paulo Sartori destacou a quantidade de entorpecentes apreendidos.”Uma das maiores apreensões de drogas sintéticas já realizadas no estado.” A polícia recebeu várias denúncias acerca de transações de compra e venda de entorpecentes na região próxima a um shopping.

De acordo com a polícia, mãe de adolescente era a favor por dinheiro (Foto: Nathália Rabelo/ Divulgação)

Seguindo as informações da denúncia, um adolescente com atitude suspeita foi abordado e com ele os policiais encontraram 100 micropontos de LSD e 102 comprimidos de ecstasy dentro de caixa de DVD. O rapaz disse que tinha mais droga em sua casa, na Vila Bandeirante.

Na residência do jovem, foram encontrados 1.212 micropontos de LDS e 569 comprimidos de ecstasy. Também foi encontrado LSD líquido. Segundo o delegado Sartori, nunca houve apreensão de droga deste tipo em Mato Grosso do Sul. Também foi apreendida maconha com a mãe do adolescente.

O adolescente contou aos policiais que o entorpecente vinha dos estados de São Paulo e Paraná e que chegavam à residência via Correios. O delegado explicou que devido ao grande volume de embalagens, o sistema dos Correios não consegue barrar esse tipo de correspondência.

O adolescente contou que vendia o LDS entre R$ 20 e R$ 30 e o ecstasy por R$ 60 em festas. Conforme as investigações, ele arrecadava entre R$ 5 mil e R$ 6 mil por festa rave e o dinheiro era usado para sustentar a casa e a família.

Sartori afirmou também que a mãe fumava na frente dos filhos e apoiava a atitude do filho com o tráfico de drogas por causa do sustento que ele proporcionava. Mãe e filha foram presas em flagrante. A polícia investiga a participação de outros envolvidos.

Comentários