ACS se reúne com Ministro da Justiça em Brasilia para discutir agressão à militares em Caarapó

(Foto: Paulo Francis)
O presidente da ACS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul), Edmar Soares da Silva, durante entrevista no programa Capital Meio Dia. (Foto: Paulo Francis)

O presidente da ACS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul), Edmar Soares da Silva participou na tarde desta quinta-feira (16), de entrevista para o programa Capital Meio Dia e portal de noticias Página Brazil, para falar sobre os casos de violência ocorrido contra policiais militares durante o conflito de terras da última terça-feira (14).

Edmar ressaltou a sua indignação, de toda a classe e familiares de policiais militares de todo o país. O presidente conta que ao se deslocarem para o local onde acontecia o conflito por terras, com o objetivo de fazer o apoio do corpo de bombeiros que socorria pessoas feridas, foram sequestrados, torturados e inclusive foi jogado no corpo de um militar gasolina e ameando atearem fogo no mesmo.

“Isso é inaceitável, incabível no estado democrático de direito e nós temos que buscar junto as autoridades mecanismos para que isso não aconteça e os responsáveis sejam efetivamente punidos. A Associação de Cabos e Soldados, enquanto representante de toda a classe estivemos ontem(15), com o ministro da justiça para pedir a ele que providencias sejam tomadas e que o fato não caia no esquecimento”, explica.

Conforme o presidente, o ministro afirmou pontualmente que a Força Nacional havia sido acionada para ficarem nas linhas de conflito, que iria reforçar a Policia Federal para que tivesse melhores condições de fazer uma investigação que possam repreender os autores do crime e preventiva para que fatos como esse não voltem a ocorrer.

Outra questão é que será encaminhado ainda nesta tarde à OAB(Ordem dos Advogados do Brasil), o pedido de que a instituição se posicione em relação a violência cometida aos militares.

Paulo Francis

Comentários

comentários