Marquinhos se diz melhor preparado para comandar a Capital

O deputado estadual e candidato à prefeitura de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), participou na tarde desta segunda-feira (10), do programa Capital Meio Dia, da  Capital 95.

O candidato, que declarou que a votação expressiva que garantiu o primeiro lugar nas eleições do primeiro turno é resultado de sua história de vida. “Os votos foram conquistados através de uma hsitória de vida, história de secretário municipal de assuntos fundiários, dois anos como vereador, décimo primeiro ano como deputado estadual. O campo-grandense passou a conhecer o Marquinhos quando enfrentou o governador André Puccineli na CPI da energia elétrica, enfrentou o também governador Reinaldo Azambuja na briga da taxa de inspeção veicular”, explica.

Marquinhos Trad também afirma que o grande número de abstenções nas eleições de Campo Grande aconteceu em decorrência da inconformidade da população em relação aos políticos da cidade.

“O eleitor deixou muito claro para os políticos da nossa cidade ‘ou vocês pratiquem o que é falado nas eleições ou nós [população] não votamos mais em vocês’. As abstenções ocorreram principalmente decorrente a programas eleitorais que atacam pessoas, atacam famílias. O eleitor quer saber de soluções técnicas para resolver os problemas da cidade”, declara Trad.

Ao final da entrevista, Marquinhos destacou sua preparação para ocupar o cargo de prefeito da Capital e prometeu dar continuidade aos trabalhos que já vem sendo feito.  Perguntado sobre a preparação que constantemente cita em seus programas eleitorais, o candidato frisa sua vida pública.

“Eu tenho 52 anos de idade, ingressei na vida publica com 33 anos de idade, antes disso eu fui estudar, me capacitei, me tornei advogado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, fiz cursos e pós-graduação, em seguida comecei a ministrar aulas em cinco universidades de Mato Grosso do Sul, depois que tive conteúdo teórico eu fui para prática e me deram uma incubência que era de reduzir o défict habitacional e reduzir as favelas e assim eu fiz”, afirma o candidato.

Apoio de Bernal

Marquinhos destaca que não fez aliança com o atual prefeito, Alcides Bernal. Para ele aliança significa troca de privilégios e não foi isso o que aconteceu,segundo Trad. O candidato diz que apenas recebeu o apoio de Bernal.

‘Não houve aliança com Bernal, houve um apoio, aliança significa troca de secretarias, houve apenas o apoio. O Bernal me pediu para não participar de licitações e dar continuidade com o convênio com o Exército para o recapeamento das vias. E a sequência de trabalho em Campo Grande que está acabando com a corrupção, segundo o próprio prefeito”, finalizou Marquinhos.

 

 

Comentários

comentários