2º Encontro Regional de Arte Educadores destaca a importância da arte como conhecimento

Foto Divulgação
Foto Divulgação

O 2º Encontro Regional de Arte Educadores, realizado na tarde desse domingo (13) no Muphan, compondo a programação do 13º estival América do Sul Pantanal , teve o intuito de promover a troca de informações entre os profissionais da área e levantar discussões acerca da importância da arte na grade curricular das escolas públicas de Mato Grosso do Sul.

Para o gerente de Patrimônio Histórico e Cultural da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, Caciano Lima, este encontro vem chancelar o setor educativo do festival para promover a contextualização das atrações oferecidas e difundir o conhecimento da arte entre o público. “O papel do arte educador estimulando seus alunos das redes estadual e municipal a participarem das atividades oferecidas no festival é fundamental. Mesmo sendo fim de semana,muitos professores daqui combinaram visitas com seus alunos, portanto este profissional traz público e reflexão para o evento”, comemorou.

Na ocasião, a professora Denise Silva, que atua nas escolas indígenas de Miranda, apresentou seu projeto intitulado Kalivano. Nele,um material didático de alfabetização foi formulado na língua Terena e ditribuído nas escolas indígenas do município. “No mundo muitas línguas estão ameaçadas de extinção. Quando morre uma língua, morre o patrimônio imaterial de um povo. A educação indígena tem que ser diferenciada e empoderar a comunidade local. Preservar a língua é preservar a cultura”, defendeu.

O professor de artes visuais, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Paulo César Antonini, divulgou o livro “Olhar em formação: processos de criação e princípios epistemológicos das artes visuais”, patrocinado pela Fundação de Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul. “Esta obra vem marcar a identidade do curso de artes visuais da UFMS. Trabalhando com os eixos, poéticas visuais,arte e ensino e reflexões sobre arte, ele traz ações teóricas e práticas dos professores da universidade para contribuir com o conhecimento por meio das artes visuais”, explicou.

A professora Ana Lúcia Serrou, destacou a necessidade do arte educador buscar melhorar sua formação por meio da pesquisa para trabalhar o conhecimento de arte dos alunos. “A escola não considera a arte como conhecimento. Mas ela é conhecimento uma vez que não pode ser ensinada separada do seu contexto social”, argumentou.

A arte educadora Magda De Tone, discorreu sobre a importância do arte educador participar de eventos culturais. “Não podemos ser professores de arte se não temos a fruição da arte,se não freqüentamos espaços e eventos culturais. Olha o poder do professor arte educador com as pessoas que convivem”, lembrou.

A arte educadora Magali de Deus comemorou a iniciativa: “O legal desse encontro é saber que estão acontecendo muitas coisas bacanas na área”.

Comentários

comentários