PT cobra explicações de ministro por investigações da PF na Lava-Jato

Ministro José Eduardo Cardozo: contra à parede – Foto: O Estado de S.Paulo

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, foi convidado formalmente pelo PT a dar explicações ao partido sobre as últimas ações da Polícia Federal, subordinada a ele. A decisão foi tomada durante pela Executiva Nacional do PT, realizada na última quinta-feira e vinha sendo mantida em sigilo, mas foi divulgada hoje.

Durante a reunião da Executiva realizada para avaliar os estragos causados ao partido pelas Operações Lava Jato e Acrônimo, o PT tomou ainda a decisão de aprovar uma resolução política de sair em defesa das empreiteiras suspeitas de desviar recursos da Petrobras, que foi tornada pública.

A segunda medida, de convocar o ministro, havia sido mantida em sigilo, mas foi divulgada hoje pelo jornal O Estado de São Paulo. Segundo o presidente do PT, Rui Falcão, “o objetivo é simplesmente ouvir o ministro.” No entanto, conforme integrantes da cúpula petista, a ideia é enquadrar Cardozo.

Militante do PT há mais de 30 anos, homem de confiança da presidente Dilma Rousseff, o ministro é responsabilizado por setores do partido pela manutenção da prisão temporária do ex-tesoureiro João Vaccari Neto, detido desde 15 de abril, e pelas buscas no escritório político do governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), e na agência Pepper, que presta serviços à sigla.

Em conversas reservadas, lideranças petistas usam termos como “inoperante”, “omisso”, “sem pulso firme nem liderança” e “egoísta” para se referir ao ministro. Desde sexta-feira, com a divulgação da delação premiada de Ricardo Pessoa, da empreiteira UTC, que relatou ter feito repasses às campanhas de Dilma e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a insatisfação em relação ao ministro aumentou consideravelmente.

Numa reunião de representantes dos setoriais petistas realizada no meio da semana, também em São Paulo, uma dirigente ligada a um parlamentar sugeriu abertamente que o PT peça a demissão do ministro.
Na resolução política aprovada quinta-feira pela executiva nacional, a cúpula petista aumentou a intensidade dos ataques aos responsáveis pelas investigações contra o partido.

Em cinco dos 16 itens do documento, o PT faz críticas à operação. No item número 6, o partido se diz preocupado com os efeitos econômicos do “prejulgamento” das empreiteiras, apesar de pessoas ligadas a pelo menos cinco delas terem confessado à Lava Jato participação no esquema de desvio de recursos da Petrobrás.

A ideia de convidar Cardozo a dar explicações ao partido surgiu durante o debate sobre a manutenção da prisão de Vaccari, vista pelo PT como uma arbitrariedade cometida pela força-tarefa da Lava Jato.

Uma das cobranças que será feita ao ministro é o fato de a PF ter aberto uma investigação sobre um carregamento de dinheiro feito por um empresário próximo a Pimentel, mas não apurar casos semelhantes envolvendo tucanos, a exemplo de um apoiador do deputado Bruno Covas (PSDB-SP) pego com R$ 100 mil em dinheiro às vésperas da eleição de 2014. Para o PT, a PF não tem isonomia.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Comentários

comentários