21-10 – O MUNDO POR AI…

     Pedro1  Pedro Mattar

      Existe uma porrada de detalhes que dão aos costumes uma dimensão curiosa, acima do que imaginamos. Minha mania de valorizar banalidades, permitiu coletar observações sem aparente importância, mas relevantes. Cada nacionalidade tem o seu jeito de reagir, seja no Brasil, na Itália ou Noruega. Registros de hábitos e comportamentos em diferentes países, não mudam  a política mundial, mas abastecem a prateleira de cultura inútil.

Quando você pede um café em umas das centenas de cafeterias de Buenos Aires, assegura o direito de ficar sentado por ali o dia inteiro. Ninguém irá encher seu saco e pedir para desocupar a mesa. Faz parte da cultura deles respeitar seu desejo de tomar café, não importa o tempo que isso dure. O detalhe é que, a cada café que você pedir, vem a conta junto. Isso facilita você sair na hora que quiser deixando o valor da despesa por ali. Bem prático.

Nos restaurantes franceses, de um certo nível para cima, não adianta entrar sem reserva. Reservas antecipadas garantem ao restaurante programar melhor os menus do almoço ou do jantar. Isso reflete na qualidade dos serviços, pois ele capricham no que fazem. Garçons franceses jamais esperam que você desocupe a mesa o mais rápido possível. Lá, comer ou tomar um simples café é um ritual respeitado, serve para colocar os assuntos em dia. Isso pode durar alguns minutos ou uma longa noite. Ah, eles estranham muito se você não pedir vinho para acompanhar a refeição.

  1. Na Itália essa história de garçons bem-humorados tem a ver com o espirito melodramático do italiano. Eles são alegres e fazem tudo com muita boa vontade e atenção. Mimam você, fazem piada de tudo e prometem que o jantar será delicioso. Os pratos são muito bem servidos. Não entre em um restaurante italiano se você não estiver com muita fome. Porque se você deixa uma quantidade maior de comida no prato, isso representa, na leitura deles, uma tremenda ofensa. Não irão te agredir, mas vão ficar muito putos. Resmungam na língua deles e fecham a cara. E olha que entre eles há o costume de três pratos em uma refeição: entrada, o prato principal e a sobremesa. Se você não tiver tanta fome, é melhor pedir uma bruscheta, algo assim. Vão estranhar se você não pedir um vinho ou uma birra, cerveja.

Na Espanha lembre que o garçom esta ali para prestar serviços ao restaurante, não a você. Você, casualmente você entrou nesse trajeto. Jamais peça ao garçom para limpar sua mesa que se encheu de pratos e garrafas vazias. Essa decisão é dele, não sua. Eu cai na besteira de pedir isso antes que ele decidisse e o garçom saiu me xingando na direção da cozinha. Não falou mais comigo naquela noite. Eu ouvia os gritos dele na cozinha, percebi que os adjetivos eram pra mim.  Claro, estou falando de maneira geral, nem todos reagem assim, mas esse é um traço bem espanhol. Aliás, foi no bar desse restaurante, que eu li a placa acima do balcão: “Hemingway nunca esteve aqui”. Provavelmente por causa dos garçons.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

comentários