19-10 – EGOÍSMO AO VOLANTE

capa_alexandre

A partir do próximo dia 5 as multas de trânsito vão estar mais pesadas. É uma tentativa de diminuir as perdas de vidas. Segundo o DPVAT, no ano passado foram pagas 42.501 indenizações por morte e 515.751 por invalidez permanente. Quer dizer 116 mortes e 1.413 casos de invalidez permanente por dia! Nos Estados Unidos, com quatro vezes mais veículos, são 35 mil mortes por ano, porque as estradas e os carros são mais seguros e as leis mais severas e rápidas com os motoristas. Por aqui, vamos ter mais severidade nas multas. Dirigir usando o celular passa a ser infração gravíssima e será punido com multa de 293 reais. É justo, porque já não se usa o celular tirando uma mão da direção, mas as duas, para teclar.

Nosso principal perigo ao volante chama-se egoísmo. É o motorista que acha que está só, é o dono do asfalto, não tem que pensar nos outros. O egoísta é aquele que acende os faróis auxiliares, que só servem para sinalizar carro sob forte neblina, e roda ofuscando todos, só porque acha bonito andar com o carro todo iluminado. Egoísta é também o motorista que muda de direção sem prevenir os outros. O sinal de mudança de direção tem que ser dado bem antes da manobra, para prevenir pedestres e veículos que estejam atrás, ao lado ou à frente. Quem já dá esse sinal por reflexo, isto é, sem pensar, é porque sabe dirigir.

Egoísta é também o motorista que cobre os vidros do carro com película escura, impedindo que quem esteja atrás ou ao lado possa enxergar os obstáculos através do carro dele. Como ultrapassar um carro com vidros traseiros e dianteiros escuros, sem se conseguir ver se à frente há espaço para voltar à mesma pista? Aliás, supõe-se que seja para fugir à fiscalização que o motorista se esconde atrás desses vidros escurecidos. Estaria ao celular? Estaria bêbedo? Para que lado estaria olhando, para dar algum sinal para os demais? E se estiver sendo sequestrado? Ou apontando uma arma para alguém?

Egoísta é que põe aquele gancho de reboque que ultrapassa o parachoque traseiro, sem ter reboque para puxar. Os hospitais de trauma estão cheios de gente que foi passar caminhando por trás desses carros agressivos e lá deixou parte da perna. Se o gancho ultrapassa o parachoque e houver uma colisão na traseira, vai machucar muito o outro veículo, mas vai alterar para sempre o carro do gancho, porque vai entortar o seu próprio monobloco. Ah, e como é egoísta aquele que aumenta para 500 metros o comprimento de seu veículo. Deixa uma distância enorme do veículo da frente, ocupando na pista o espaço de 10 ou 20 carros e formando congestionamentos. Quem ajuda também a congestionar é o egoísta que, quando abre o sinal, não arranca de imediato, sem se importar com os outros que esperam atrás dele. Para egoísmo no trânsito, talvez mais multa não resolva. E respeito ao próximo e urbanidade não se aprende com multa, mas se traz de casa.

Comentários

comentários