19-08 – A mídia no composto de comunicação.

JOB

A palavra mídia, do Latim media, significa meio e passou a designar a partir da invenção da imprensa, do rádio e da televisão, o conjunto de meios de comunicação social. Atualmente, para ser sucinto, a mídia pode ser classificada em impressa (jornais, revistas, folhetos), eletrônica (rádio e televisão) e digital ou online (sites, blogs, social medias).

Em alguns meios de comunicação, o FaceBook é um exemplo, é possível mapear os segmentos pretendidos por idade, sexo, grau de instrução e profissão dentre outros. A partir desses parâmetros pode-se desenvolver uma campanha e ajustá-la dentro de critérios de ampliação ou supressão de publico e informações, qualificando a relação e os resultados. Mais ainda, existem ferramentas que fazem o acompanhamento dos locais de maior repercussão da mensagem.

No meio televisão existem várias maneiras de se utilizar os espaços comerciais, como o GRP, Custo por Mil e demais. Em minha opinião o resultado mais preciso é alcançado através do TRP – Target Rating Point, que determina em quais programas e o número de inserções de um comercial são necessários para atingir um segmento específico de público.

Há, para cada meio de comunicação, a maneira mais adequada de se comunicar. Dentro de uma campanha publicitária, no entanto, onde diversos meios são utilizados, é preciso que a unicidade da mensagem seja mantida, permitindo ao mote adotado a maior repercussão possível. Assim, pequenos ajustes são feitos, como aumento de texto nos anúncios de revistas e jornais para melhor explorar o conteúdo. Poucas mudanças são necessárias do vídeo tape para o spot de rádio. Para o meio online os ajustes são feitos com a redução de textos informativos.

O ideal, portanto, é que o pessoal de mídia esteja presente no Brainstorm, municiando a criação com essas informações, que podem em um determinado momento dar uma luz à criação, ajudando a transformar uma campanha criativa em uma campanha criativa que impacta o público pretendido e gera resultados.

Infelizmente, a maioria dos criativos com quem já tive oportunidade de trabalhar, não leva a mídia em consideração no desenvolvimento de campanhas, iniciando o processo criativo a partir de uma imagem ou situação. Não deixa de ser um processo, mas poderia encontrar maior sustentação se levasse em consideração também, as preferências de público por determinado meio ou meios.

Pedro Mattar, diretor de criação de primeira linha, certa vez criou uma campanha com vários anúncios para venda de casas pré-fabricadas, utilizando apenas título e texto para ser veiculada nos jornais, como se fossem matérias. Em uma delas lia-se o título “Casa aparece em terreno baldio da noite para o dia.” e seguia com o texto falando do susto dos vizinhos, etc., etc. Era um anúncio pequeno, barato, mas que gerou grande repercussão e retorno de vendas para o cliente. Um exemplo de utilização criativa, estratégica e inteligente de mídia no composto de comunicação.

Máximas do Meio:

A mídia não é apenas a mensagem. A mídia é uma massagem. Estamos constantemente sendo acariciados, manipulados, ajustados, realinhados e manobrados. Joey Skaggs”

 

 

 

Comentários

comentários