Réu vai a júri por tentativa de homicídio de policial

Nesta quinta-feira (7), está indo a julgamento o réu Liosmar Rocha da Silva, na 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, pelo crime de tentativa de homicídio com recurso que dificultou a defesa da vítima. O fato que ocorreu a um ano e meio, foi contra o policial civil R.S.M., que também foi acompanhado por uma tentativa de roubo simples contra outra vítima, L.G. da S , que estava na cena criminal. Outro julgado será o réu Liosmar Rocha da Silva Junior, filho do primeiro réu, pela tentativa de roubo simples citada anteriormente.

Conforme a acusação, o crime ocorreu em 7 de janeiro de 2017, por volta das 16h30, na Rua Baronesa de Itu, Vila Adelina, na Capital, onde o denunciado, na direção de veículo automotor e assumindo o risco de matar, atropelou o policial. De acordo com a denúncia, o acusado conduzia um veículo Fiat Palio, na companhia de seu filho, quando avistaram a vítima L.G. da S., momento em que o filho decidiu furtá-la, tentado subtrair o aparelho celular, enquanto o pai aguardava no interior do veículo.

Durante o delito, o investigador de polícia R.S.M. transitava pelo local e, ao perceber os fatos, abordou Junior. Contudo, enquanto abordava Junior, ordenando-lhe que se deitasse no chão, o pai dele avançou com o veículo em sua direção, atropelando-o.

Sem demora, a vítima sacou de sua arma de fogo e efetuou um disparo contra o pneu do veículo, sem, contudo, atingi-lo. Enquanto isso, solicitou à testemunha A. dos S.T. que mantivesse L.R. da S.J. detido. Logo depois, o veículo de L.R. da S. apresentou falha e parou, momento em que este empreendeu fuga a pé. Nesse tempo, L.R. da S.J. também fugiu do local.

Ministério Público

Em sede de alegações finais, o Ministério Público pugnou pela pronúncia de Liosmar pai, por tentativa de homicídio com recurso que dificultou a defesa da vítima em relação a R.S.M., e tentativa de roubo simples em relação à vítima L.G. da S. e pela pronúncia de Junior, por tentativa de roubo simples em relação à vítima L.G. da S.

A defesa de Liosmar pai requereu a nulidade de todos os documentos do inquérito policial em relação ao acusado, a impronúncia ou desclassificação do delito e a absolvição sumária. Já a defesa de Junior,  requereu a absolvição sumária do réu e a desclassificação do delito.

Em sua decisão, o juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida, titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri, pronunciou os réus por crime de tentativa de homicídio com recurso que dificultou a defesa da vítima em relação à vítima R.S.M., e por tentativa de roubo simples contra a vítima L.G. da S. e o réu Junior pelo crime de tentativa de roubo simples contra a vítima L.G. da S.

Comentários