'Viral' falso sobre duplo homicídio em shopping de Campo Grande também circula em Curitiba

Uma mensagem falsa que circulou nesta quarta-feira (10), por whatsapp e posts no facebook em Campo Grande, é mais uma demonstração prática de como a velocidade com que notícias circulam pela rede mundial de computadores coloca “em xeque” a credibilidade do que é transmitido por meios informais. A mensagem falsa – repleta de erros grosseiros de português -, diz textualmente:

 Ewerton Duarte Caldas e a vítima Juliana Paiva Martins - Fotos: Divulgação/PM e Reprodução/Facebook

Ewerton Duarte Caldas e a vítima Juliana Paiva Martins – Fotos: Divulgação/PM e Reprodução/Facebook

“Atenção face. Acaba d (sic) acontecer duplo omicídio (sic) no shop (sic) campo grande. .. casal foi morto em plena praça d (sic) alimentação. Segundo informações os mesmu (sic) eram amantes…marido fugiu..tá maior fluxo de (sic) polícia militar e de investigadores da polícia civil. ..”

A imagem da mensagem falsa que circulou por Curitiba e Campo Grande reproduz cena do crime ocorrido em Goiânia – Foto Reprodução TV Anhanguera

A notícia falsa replica a foto do corpo de Juliana Paiva Martins, de 25 anos, assassinada na noite de 29 de maio na praça de alimentação do Buriti Shopping, em Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital de Goiás. Juliana foi vítima do guarda civil metropolitano Ewerton Duarte Caldas, de 38 anos, com quem tinha um relacionamento.

Depois de matar Juliana com um tiro na cabeça, o guarda metropolitano disparou contra a própria cabeça. Ele ainda foi encaminhado em estado gravíssimo pelo Corpo de Bombeiros  para o Hospital de Urgências de Goiânia, mas não resistiu e morreu na madrugada do dia 30 de maio.

Um dos muitos supostos ‘mapas da internet’ que tentam dimensionar a complexidade das conexões ‘neurais’ da rede mundial de computadores – Foto: Internet

O mesmo boato – que no universo das redes sociais ganha o nome de ‘hoax’ – que circula em Campo Grande, também circulou rapidamente em Curitiba, no Paraná, desde a última terça-feira (9), como divulgou o portal paranaense BandaB. Nesta quarta-feira o portal divulgou que “a informação se espalhou nas últimas horas no WhatsApp e na rede social Facebook na velocidade da luz” e acrescentou que o portal “recebeu nesta terça-feira à noite mais de 40 mensagens de internautas perguntando sobre o caso, bem como também mais de 100 mensagens por meio do WhatsApp”.

O portal paranaense destacou ainda um aspecto impressionante do boato. “Algumas pessoas compartilharam no Facebook a imagem do que teria acontecido no shopping em Curitiba dizendo que uma amiga passou e viu a cena, quando na verdade isso era impossível”. Atitudes que remetem à mitomania, transtorno psicológico que tem a pessoa que conta mentiras compulsivamente. Ou do típico trote, de quem não tem o que fazer e não só brinca com coisas sérias – que podem despertar desespero em que tem familiares trabalhando nos locais citados por boatos como este – mas também não respeita o sofrimento das pessoas próximas às vítimas do fato. O que por si só, deve indicar também algum tipo de transtorno psicológico.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários