1,8 milhão de eleitores decidem entre Reinaldo e Odilon

Neste domingo (28), 1.877.982 sul-mato-grossenses estão aptos para decidir o nome que ocupará ao governo de Mato Grosso do Sul nos próximos quatro anos. Estão em disputa Reinaldo Azambuja (PSDB), tendo como vice o ex-prefeito de Dourados Murilo Zauith (DEM), e Odilon de Oliveira (PDT) ao lado de Marcos Vitor (PRB), bispo evangélico em Dourados.

Azambuja e Odilon disputam 2º turno ao Governo de MS. – Crédito: Divulgação

No 1° turno, Reinaldo Azambuja, que disputa a reeleição alcançou 44,61% dos votos nas urnas. Foram ao todo 576.993 eleitores confiantes no projeto do tucano para os próximos quatro anos.

Já o rival, Odilon de Oliveira, contabilizou o montante de 408.969 votos nas urnas, tomando 31,62% dos votos no Estado.

Num quadro geral, Mato Grosso do Sul possui 1.877.982 eleitores, sendo que deste, apenas 1.293.354, um percentual de 87,47%, foram considerados como votos válidos pelo TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral).

Isso porque 21,22% do eleitorado (466.340 pessoas) não compareceu às urnas e outros 185.288 eleitores optaram pelo voto branco ou nulo.

Dentro do quadro de votos válidos, os dois candidatos em disputa ao 2º turno captaram 76,23% dos eleitores, tendo o percentual remanescente distribuído aos candidatos Júnior Mochi (MDB), Humberto Amaducci (PT), Marcelo Bluma (PV) e João Alfredo (PSOL).

Cada um conquistou 11,61% (150.115 votos), 10,26% (132.638 votos), 1,28% (16.544 votos) e 0,63% (8.095 votos), respectivamente.

VOTAÇÃO

Os locais de votação serão abertos à partir das 8h e terão as votações encerradas às 17h. Eleitores que não votaram no 1° turno podem ir às urnas neste 2º, pois o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) considera cada turno uma eleição independente.

SEGURANÇA

Durante o período de votações, o Estado dispôs um quadro de 5,3 mil agentes de segurança pública, entre policiais militares, civis, bombeiros e agentes penitenciários para executar o monitoramento preventivo e as penalizações à crimes eleitorais como compra de votos, transporte aos eleitores, manifestações partidárias e outros.

As operações começaram às 7h de ontem (27) e seguirão até amanhã.

Comentários