06-01 – ADEUS ANO NOVO

capa_alexandre

O líder do governo na Câmara Federal deu a régua e o compasso para este ano: “Mais estado e menos mercado”. O presidente do PT completou: “Menos juro e mais investimento”. Este último fez uma crítica, porque, afinal, temos mais juro porque o governo quer mais estado e gasta mais sem ter, então emite papéis que, para serem vendidos, precisam oferecer mais juros. Estado inchado, nada sobra para investir. Aliás, estado é péssimo investidor. Um viaduto em Goiás ficou em obras por dois anos até ser entregue à iniciativa privada. Em semanas, o viaduto ficou pronto. Neste ano, o governo federal vai gastar 1 trilhão 108 bilhões, no mínimo. E vai gastar 120 bilhões além disso. Vai fazer o quê? Só com previdência e folha de pagamento saem pelo ralo 873 bilhões. É o que está no orçamento da União; não é invenção.

Para gastar tudo isso, o governo federal espera arrecadar 1 trilhão 260 bilhões de reais, mas conta com o ovo antes de a galinha pôr. Já está contando com a ressurreição da maldita CPMF, como se tivesse maioria fácil no Congresso. Mas vai usar para quê? Os serviços públicos são péssimos. É um estado inchado e egoísta; arrecada principalmente para se sustentar. Ano passado, pagamos mais de 2 trilhões de reais em tributos, nos três níveis de governo. Só a União tem 31 ministérios, 5 secretarias chefiadas por ministros, 122 autarquias, 10 agências reguladoras, 41 fundações e 135 estatais. São mais ou menos 1 milhão de servidores, mais cerca de 1 milhão de pensionistas e aposentados. O Brasil, com essa carga improdutiva e ineficiente, vai afundando.

Quando nasci, o escritor austríaco Stephan Sweig escreveu “Brasil País do Futuro”. O livro, traduzido em 16 idiomas e best-seller, acabou por cunhar a palavra de ordem “país do futuro”. Mas nesses últimos anos tratamos de jogar fora o futuro. Que estava perto, quando conquistamos a estabilidade da moeda. Hoje, perdemos isso. Éramos emergentes, agora estamos voltando ao subdesenvolvimento. As pessoas que subiram na renda, estão endividadas e pagando altos juros. O estado gorducho não dá saúde, nem segurança, nem educação, nem futuro, como demagogicamente prometera. E a gente já vai se despedindo do ano-novo.

Comentários

comentários