Witherspoon revela que foi assediada por diretor aos 16 anos

Redação / Terra

Foto: Reprodução

Num momento em que várias mulheres de Hollywood estão revelando suas histórias de assédio no meio cinematográfico e televisivo, Reese Witherspoon contou que se sentiu “muito encorajada” para poder falar que sofreu um caso de abuso aos 16 anos.

“[Sinto] verdadeiro desgosto pelo diretor que me assediou quando tinha 16 anos e raiva dos agentes e produtores que me fizeram sentir que o silêncio era uma das condições do meu emprego. Gostaria de poder dizer que é um caso isolado na minha carreira, mas infelizmente não é. Tive múltiplas experiência de assédio e agressão sexual, e não falo muito sobre”, revelou Witherspoon durante um evento da revista Elle .

O relato da atriz acontece após o jornal The New York Times e a revistaThe New Yorker tornarem públicas uma série de denúncias contra o produtor Harvey Weinstein, recém-expulso do Sindicato dos Produtores. Ashley Judd, Rose McGowan, Angelina Jolie e Gwyneth Paltrow estão entre as muitas personalidades que relataram experiências ruins com Weinstein.

O escândalo trouxe à tona relatos de casos de assédio para além dos que envolviam o diretor. A situação inspirou outras mulheres a falarem abertamente sobre suas histórias, como fizeram Witherspoon e Björk, que revelou ter sido assediada por Lars von Trier.

No Twitter, a atriz Alyssa Milano iniciou a hashtag #MeToo (“Eu também”) com a intenção de que fosse compartilhada por todas as mulheres que já sofreram algum tipo de assédio ou agressão sexual. Oferecendo “uma ideia da magnitude do problema”, como publicou Milano, a hashtag foi compartilhada mais de 500 mil vezes, incluindo por atrizes como Debra Messing (Will & Grace), Tatiana Maslany (Orphan Black) e Anna Paquin (True Blood).

No evento da Elle , a presidente da revista, Kathleen Kennedy, propôs a fundação de uma comissão nas instituições cinematográficas de Hollywood – estúdios, sindicatos, associações e agências de talentos – para mudar a inapropriada cultura de abuso sexual. Jennifer Lawrence mostrou apoio à proposta e Witherspoon sugeriu que as celebridades deveriam questionar a posição e o poder ofertados às mulheres em companhias do ramo, para que mudanças possam ser criadas não só na indústria cinematográfica, mas na sociedade.

Comentários

comentários