Voo sobre Pyongyang mostra a Coreia do Norte como você nunca viu

VEJA/JP

Vista aérea de Pyongyang, capital da Coreia do Norte (Foto: nknewsorg/Youtube/Reprodução)

Em um registro inédito, um fotógrafo de Singapura sobrevoou Pyongyang com uma câmera 360º e gravou em vídeo cenas nunca vistas da capital norte-coreana. País mais fechado do mundo, a Coreia do Norte controla fortemente todas as imagens e registros feitos por turistas. Quem visita Pyongyang é obrigado a seguir um itinerário previamente autorizado pelo governo e só pode tirar fotos em determinados locais.

O vídeo, disponibilizado no Youtube, mostra uma cidade colorida às margens do rio Taedong, com construções modernas e muita área verde, mas aparentemente asséptica e com pouca vida. Ruas vazias, um número ínfimo de carros e praças completamente desocupadas dão indícios da rotina rigidamente ordenada dos cidadãos norte-coreanos.

O fotógrafo Aram Pan conseguiu contornar as restrições de Kim Jong-un e depois de muitas visitas ao país, que frequenta desde 2013, recebeu permissão para sobrevoar a capital com uma câmera. O voo aconteceu em setembro e, apesar de ter o vídeo liberado, Aram Pan contou ao site NK News que algumas fotos foram censuradas pelas autoridades. “Havia uma pessoa que verificou todo o material e eliminou algumas fotos. Eu diria que mantive 90% do total. Os norte-coreanos estavam realmente orgulhosos de sua cidade e conversavam comigo sobre o que eu vi e sobre o que eu gostava”, disse Aram ao site.

Aram afirmou que acredita que obteve a permissão inédita para fazer as imagens por não ver os norte-coreanos como “pessoas terríveis”. “Todos pensam que eles são terríveis e acho que eles sentem isso. Acho que quanto mais amável eu sou, mais eles se revelam naturalmente para mim”, disse ao NK News.

Apesar da rara abertura para a realização do vídeo, o governo de Pyongyang não abriu mão de suas regras principais e manteve a proibição de que fosse feito qualquer registro militar – de soldados, veículos e instalações – e de fazendas fora da capital.

Comentários

comentários