Vinte empresas são suspeitas de furto de energia no Centro de Campo Grande

Da Redação/JN

A suspeita por furto de energia motiva uma operação da Polícia Civil, nesta sexta-feira (18), no Centro de Campo Grande. Pelo menos cinco empresários foram levados à delegacia para prestar depoimento.

Polícia Civil e Energisa fazem operação de combate a furto de energia em Campo Grande (Foto: Osvaldo Nóbrega/TV Morena)

De acordo com a Polícia Civil, 20 empresas são alvos dessa operação. Investigadores, peritos da Polícia Civil e técnicos de operação vistoriam os locais com possíveis irregularidades.

Segundo o gerente de combate a furto de energia da Energisa, Paulo Roberto Dos Santos, o prejuízo causado pelo crime faz com que as contas dos demais consumidores tenham um aumento de pelo menos 5%.

“Os furtos de energia poderiam abastecer uma cidade do tamanho de Dourados”, informou Paulo Roberto dos Santos. “Queremos mostrar para as pessoas que o furto de energia é crime e está no Código Penal, Art. 155 (Subtrair, para si ou para outra pessoa). Tanto que as pessoas que praticam esse crime não tem antecedentes criminais e podem pegar de 12 á 14 anos de pena. Em Ponta Porã um homem foi condenado por esse crime”, relata Paulo.

Desde de janeiro, duas vezes por mês, a Energisa fiscaliza locais onde ocorre possíveis furtos de energia. Foram cerca de 14 operações que devem seguir até o final do ano. A ação acontece em todo o Estado, mas em dias diferentes para não sobrecarregar as delegacias. Investigação –

“Ao todo são 80 equipes no Estado que ficam fiscalizando. Temos um computador que faz uma triagem 24 horas, 365 dias quando é descoberto vamos verificar. Caso tenha alguma irregularidade fazemos o boletim de ocorrência, por isso que sempre estamos acompanhado da policia e da perícia, por que precisamos de provas para formar o registro”, finaliza o diretor.

Comentários

comentários