VÍDEO: Suspeitos de matar homem usaram munição restrita às forças de segurança

Rio – Os criminosos que assassinaram um homem que saía do estacionamento de um shopping em Duque de Caxias, na noite de quarta-feira, com a mulher e o filho de 8 anos, tinham uma técnica e usaram munição restrita às forças de segurança. A afirmação é do delegado Giniton Lages, da Divisão de Homicídio da Baixada Fluminense (DHBF). Denivaldo Meireles da Silva, de 41 anos, que trabalhava como segurança e era pré-candidato a vereador no município, tinha ido ao cinema com a família e morreu no local. O carro foi atingido por, pelo menos, 14 tiros. Andreia Ornelas Claudino, 30 anos, que estava no banco do carona, foi baleada e segue em estado grave o Hospital Adão Pereira Nunes. O filho do casal que estava no banco traseiro não ficou ferido.

Carro onde estava a família do segurança na hora dos disparos foi coberto após a perícia em Caxias Foto: Estefan Radovicz / Agência O Dia
Carro onde estava a família do segurança na hora dos disparos foi coberto após a perícia em Caxias Foto: Estefan Radovicz / Agência O Dia

Vídeo gravado por câmera de segurança mostra que dois assassinos usavam camisas com o nome da Polícia Civil. “Pela violência empregada não há dúvidas de que foi execução. Foram muitos disparos. Eles não estavam nem preocupados se acertariam a criança e a mulher dele. Na imagem está nítido que não usavam capuz porque eles contam com a impunidade”, disse Giniton Lages. O delegado, porém, ressaltou que não é possível dizer que os criminosos eram policiais. “Essas camisas são vendidas e ainda precisamos investigar mais para saber se a camisa é verdadeira ou falsificada”.

A principal linha de investigação é execução, mas a motivação do crime ainda é desconhecida. O delegado contou que aguarda apoio especializado para poder ouvir a criança que estava no carro.


Lages confirmou que a vítima tinha intenção de se candidatar segundo depoimentos. Com o assassinato de Denivaldo, subiu para seis o número de mortos que disputariam as eleições de outubro deste ano na Baixada Fluminense.

O Honda Civic preto onde Denivaldo foi assassinado estava até ontem no estacionamento do shopping, coberto por um plástico. Um Voyage preto, ano 2009, foi apreendido a 400 metros do local do crime. Uma testemunha disse à polícia ter visto dois homens saindo do veículo, que tinha sido roubado em Santa Cruz da Serra, também na Baixada, horas antes do crime. Dentro do carro agentes da DHBF encontraram um distintivo falso da Polícia. O dono do carro tinha registrado a ocorrência na 62ª DP (Imbariê). (ODIA)

Comentários

comentários