Vídeo: Polícia investiga se assassino de policial teve ajuda

Nesta quarta-feira os delegados Clemir Vieira Júnior, Bruno Trento Hein e Thiago de Lucena e Silva falaram sobre a prisão de José Osmar de 27 anos, vulgo Veinho que aconteceu em uma região de fazendas entre os municípios de Tacuru e Iguatemi, ontem (14). O juiz de Iguatemi não permitiu a presença do preso na entrevista coletiva.

Foto: Tião Prado
Foto: Tião Prado

Eles contaram que depois da prisão de Veinho, apontado como assassino do investigador da Polícia Civil, José Nivaldo de Almeida, 51, a Polícia Civil de Tacuru (MS) busca por comparsas que teriam ajudado o suspeito a se esconder.

“A apuração das pessoas que ajudaram ele já eram e continuam sendo objetos de investigação. É certeza que ele contou com ajuda!”, declarou o delegado responsável pelo caso, Bruno Trento Hein.

Durante apresentação de vídeo do suspeito preso ontem , ele confessa o crime. “Ele alegou que o policial teria usado força excessiva e por esse motivo ele teria reagido”, contou o delegado.

Segundo o delegado Clemir Vieira Júnior, nos 16 dias em que estava foragido, José Osmar tentou fugir para o Paraguai. Segundo o delegado, o rapaz conhece a região e foi até Paranhos, com a intenção de cruzar o Rio Iguatemi e chegar ao país de fronteira com Mato Grosso do Sul.

O delegado, disse ainda que o acusado deu poucas informações sobre a localização das armas usadas para cometer o crime, que estão sendo procuradas. O rapaz afirmou que perdeu uma das armas durante a fuga e que teria vendido a arma de fogo do policial.

Ainda nesta semana, José Osmar deve ser encaminhado para o Presídio de Naviraí. Ele já havia sido investigado por furto e violência doméstica e chegou a cumprir pena por tráfico de drogas.

Ele será indiciado por homicídio e tentativa de homicídio, ambos qualificados, por porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e de uso permitido, furto, desobediência e resistência.

15osmarO crime

José Osmar andava na rua armado e tinha atirado em um desafeto. José Nivaldo, que estava em casa, saiu, se identificou como policial e realizou a abordagem. O policial rendeu o autor do crime e quando estava o algemando levou uma rasteira, caiu e foi morto com a própria arma.

Comentários

comentários