Vereadores rejeitam de novo vetos do Executivo em sessão desta terça-feira

cAMARA10A crise político-administrativa em Campo Grande dos últimos quatro anos, não findará mesmo, como já relatamos, até encerrar a administração de Alcides Bernal e os mandatos dos atuais vereadores. Os parlamentares rejeitaram de novo, vetos do Executivo em sessão ordinária na manhã desta terça-feira (17). Assim, a Câmara de Campo Grande rejeitou dois Vetos do Poder Executivo e após aprovaram três Projetos na sessão ordinária de ontem, como ocorreu a cerca de 15 dias, ou mesmo, vem ocorrendo sistematicamente. Ambos os Poderes têm as prerrogativas de voto e veto. Mas, o Legislativo, tem um segundo poder, após veto do prefeito de derrubar os mesmo, e ele mesmo promulgar, colocar em ação as próprias propostas.

A derrubada do veto ocorreu, em única discussão e votação, onde foi rejeitado o Veto Total ao Projeto de Lei Complementar 437/14, do vereador Carlão (PSB), que proíbe a prática de assédio moral a transeuntes que induza a contratação de empréstimos financeiros, aquisição de cartão de créditos ou vendas.

Também em única discussão foi rejeitado o Veto Total ao Projeto de Lei Complementar 494/16, dos vereadores Carlão e Otávio Trad (PTB), que libera a comercialização e o consumo de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol de Campo Grande, desde a abertura dos portões até o final da tarde, desde que servidas em copos plásticos.

As duas propostas seguem agora para promulgação pelo presidente da Câmara Municipal, vereador Prof. João Rocha (PSDB).

Por fim, em regime de urgência foram aprovados em Plenário outros três Projetos. O Projeto de Resolução nº 304/16, de autoria da Mesa Diretora, que dispõe sobre o reajuste dos vencimentos dos servidores da Câmara Municipal de Campo Grande-MS.

Também o Projeto de Resolução nº 302/16, de autoria da vereadora Carla Stephanini, que institui a Frente Parlamentar da Primeira Infância no âmbito da Câmara Municipal de Campo Grande e dá outras providências.

E o Projeto de Resolução nº 305/2016, de autoria da Mesa Diretora, que altera o Art. 3º da Resolução n. 1.193, de 22 de maio de 2014.

Comentários

comentários