Vereadora reclamam de agressões e professores voltam a protestar na Câmara

As vereadoras Thaís Helena (PT) e Luiza Ribeiro (PPS) protestaram contra “a violência sofrida por professores na sessão da Câmara desta terça-feira (4), cometida por guardas municipais, inclusive por guardas à paisana”. Thaís Helena declarou que é inadmissível que ocorra violência de gênero dentro dessa Casa de Leis, com professoras agredidas por guardas municipais”.

Vereadoras protestam contra  truculência praticada contra professores na sessão de terça-feira  Foto Silvio Ferreira
Vereadoras protestam contra truculência praticada contra professores na sessão de terça-feira Foto Silvio Ferreira

Luiza Ribeiro reivindicou “a convocação do secretário municipal de Segurança, para que sejam dadas satisfações sobre quem determinou a presença de guardas municipais à paisana para tumultuarem à sessão”.

Durante as falas dos vereadores, o presidente da Associação de Moradores do Jardim Aeroporto (região Oeste da Capital) foi hostilizado pelos professores, aos gritos de “pau-mandado” e “cupinxa”.

Elvis foi cercado por manifestantes, guardas municipais e vereadores, que para evitar o início de um tumulto, o aconselharam a deixar a sessão. Ao deixar o plenário, protegido por guardas municipais, Elvis falou à reportagem do Página Brazil, desafiando:

“Provem que eu sou pau-mandado! Eu não sou comissionado! Eu quero que meu filho volte às aulas! Essa greve é politicagem! Esses 400 professores presentes aqui é que são paus-mandados do PT, da Dilma!”, desabafou.

Cerca de 150 professores voltaram a realizar novo protesto, na manhã de hoje (5), na Câmara Municipal. Após distribuir cafezinho, em novo protesto para lembrar a Operação Lama Asfáltica, a direção da ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública) participa de reunião a portas fechadas com o presidente do legislativo, vereador Mario Cesar Oliveira (PMDB).

Segundo o presidente do Sindicato dos Professores, Geraldo Gonçalves, a categoria vai à Câmara pela 16ª vez nesta quarta porque a manifestação já faz parte da programação da greve .

Silvio Ferreira

Comentários

comentários