Vereadora acusa colega de agressão física e verbal dentro de Câmara

A vereadora de Porto Murtinho, sudoeste do Estado, Maria Donizete dos Santos (PT), procurou a polícia do município ontem (23) para denunciar agressão física sofrida pelo também vereador Edicarlos Oliveira (PSDB).

Marcas no tórax da vereadora (Foto: Arquivo Pessoal))
Marcas no tórax da vereadora (Foto: Arquivo Pessoal))

O fato teria ocorrido dentro da Câmara de Vereadores e o motivo da briga teria sido uma postagem da filha dela na rede social Facebook.

Segundo informações, um dia após as eleições, Ludemila Almeida, filha de Maria Donizete, postou uma crítica em sua página no Facebook, em que classifica Edicarlos, que  foi reeleito, como “machista, oportunista, preconceituoso e mau caráter”.

Em seguida, Edicarlos teria falado em uma rádio local sobre Ludemila, usando termos como “biscatinha” e “vagal” para se referir a ela. Ontem, a mãe teria ido cobrar satisfações do parlamentar.

Ainda de acordo com informações, a vereadora afirma que houve agressão física. Além disso, ela relata que um áudio divulgado pelo vereador foi manipulado, pois não aparece o momento em que o vereador ofende a filha dela.

“Eu cheguei na minha sala e o vereador Edicarlos estava lá com o outro vereador, o Carlos Heitor (PT). Dei bom dia e perguntei se estava tudo bem. Foi quando percebi que o vereador Edicarlos me encarava de forma estranha e então eu disse: ‘Então você chamou minha filha de biscatinha?’. Ele negou, dizendo que não, mas depois confirmou e ainda disse que chamaria quantas vezes precisasse. Depois disso, eu ia sair da sala quando ele se levantou e insinuou que eu ia fugir, eu voltei e então nos alteramos, ele me deu um soco no peito e me jogou no chão”, disse a parlamentar.

O vereador Edicarlos Oliveira afirma que não houve agressão física ou verbal. E que todo o problema foi uma armação para lhe prejudicar perante a população de Porto Murtinho.

“Hoje [quarta-feira] pela manhã eu estava conversando com um outro vereador, do mesmo partido da vereadora Maria Donizete, e ela entrou na sala dizendo que eu não poderia ter feito aquilo e falado da filha dela. Mesmo justificando que as críticas que fiz no meu programa não foram para a filha dela, a vereadora continuou me agredindo verbalmente.

Nesse momento ela se aproximou de mim e colocou o dedo na minha cara, enquanto eu estava sentado de frente para ela a meio metro de distância e próximo da porta de saída. Eu me levantei e então encostei no ombro dela com a mão esquerda para sair do seu alcance. Não sei se ela tropeçou na cadeira que estava logo atrás dela ou se desequilibrou, e caiu. Após isso saí da sala e fui imediatamente registrar um boletim de ocorrência”.

Na ocorrência registrada pela vereadora, ela relata que o vereador chamou seus filhos de mal educados, e que a mesma não soube educá-los. Ainda segundo o registro, após ter sido agredida pelo vereador Edicarlos, o outro vereador, Carlos Heitor, que também estava no local, se levantou para protegê-la, pois segundo a vereadora, as agressões não iriam parar.

Comentários

comentários