‘Vamos investigar quem nos investigou’, afirma Marun

Da Redação com informações do Globo.com

Relator de CPI da JBS diz que Rodrigo Janot ‘é hoje a pessoa que mais atrapalha o Brasil’

Chefe das tropas de choque do ex-presidente da Câmara cassado e preso Eduardo Cunha, e agora do presidente Michel Temer, o deputado de primeiro mandato Carlos Marun (PMDB-MS) provocou uma rebelião na CPI da JBS ao ser indicado relator. Ele diz que tem apanhado, mas que também sabe bater bem. Afirma que, no caso de Cunha, sua estratégia era segurá-lo no cargo para que não caísse antes de Dilma Rousseff. Sobre os senadores que deixaram a CPI em protesto contra sua indicação para a relatoria, Marun diz que isso é só desculpa e, na verdade, estão é com medo de investigar a JBS e os procuradores. E ironiza o procurador-geral da República, Rodrigo Janot: as flechas estão saindo pela culatra.

Deputado Carlos Marun (PMDB-MS) (Foto: Divulgação )

O senhor está recebendo muita flechada por defender o presidente Temer?

Não! As flechas estão saindo pela culatra. É o primeiro caso de flecha que sai pela culatra que conheço.

O senhor não tem medo de “apanhar”, ser criticado?

Medo de apanhar, eu tenho. Não gostaria de apanhar, mas apanho de algumas pessoas que têm uma posição contrária e, às vezes, extrapolam. Mas eu também bato, né? Levo, mas também, quando passam de um certo limite, eu bato. Comigo é: bateu, levou.

O senador Otto Alencar saiu da CPI batendo a porta por não concordar com a indicação do senhor para a relatoria da CPI da JBS.

Saiu batendo a porta, não temos o que conversar. Mas esses que estão saindo… o que eu vejo? Estão saindo por medo.

Medo de quem?

Nós vamos investigar quem sempre nos investigou. Vamos interrogar quem sempre nos interrogou. Esse é um paradigma que será quebrado. Medo desse embate que nós vamos ter. De dali a pouco ter que se posicionar em relação a um procurador. E também, em alguns, pode acontecer a vontade de que a JBS não seja investigada. São duas questões. E não há motivo para isso, porque quem vai prevalecer é a maioria. Quer dizer, essa saída é pirotécnica e, para mim, fruto do medo. Não renuncio de jeito nenhum.

Esta CPI é uma CPI para corajosos. Eu tenho meus defeitos, mas não sou uma pessoa desleal. Vamos ter que fazer porque vamos ter que encontrar um jeito de enfrentar uma situação dessa. Vejo, sinceramente, nesses que saem, falta de coragem para enfrentar uma situação, de romper o paradigma, de investigar quem sempre nos investigou. Eu vejo aí temor. Eu vejo medo nessas saídas.

O senhor admite que esta CPI tem como alvo Janot?

Ela tem três focos: os contratos da JBS com o BNDES, a questão do monopólio dos frigoríficos e as dívidas previdenciárias, tributárias; e as circunstâncias da delação.

É a delação o alvo principal?

Isso é que provocou a CPI, para dizer a verdade. As circunstâncias controversas desse acordo.

O presidente Temer é acusado por ele, na gravação, de ter recebido dinheiro também antes do mandato. Vocês vão investigar isso?

Não podemos investigar o presidente antes do mandato. Não vamos contrariar a lei. O presidente, ao fim do mandato, em havendo provas de que tenha cometido algum alto ilícito, vai ter andamento de processo contra ele.

Janot acha que há motivos para o presidente Temer ser cassado. Por isso ele se transformou no vilão nº 1 do PMDB?

Não é que ele seja um bandido, mas um vilão do crescimento do Brasil, acho que ele é. O doutor Janot é hoje a pessoa que mais atrapalha o Brasil. Vilão do PMDB, não. O PMDB tem gente que tem contas a acertar. Que acertem.

Comentários

comentários