Tufão Etau leva inundações ao Japão e deixa uma pessoa desaparecida

O tufão “Etau” levou fortes chuvas para o centro e o leste do Japão nesta quinta-feira (10), onde ocorreram inundações, que deixaram pelo menos um desaparecido e dezenas de feridos, além de terem forçado a retirada de mais de 140 mil pessoas.

Tufão Etau leva inundações ao Japão (Foto: EFE)
Tufão Etau leva inundações ao Japão (Foto: EFE)

A Agência Meteorológica do país (JMA, na sigla em inglês) decretou o nível máximo de alerta nas cidades de Ibaraki e Tochigi, devido à previsão de fortes chuvas, inundações e deslizamentos de terra.

Nas áreas mais afetadas, a quantidade de chuva superou em apenas 24 horas o dobro do habitual para todo o mês de setembro, e são produto da passagem da tormenta, que se transformou em um ciclone extratropical (tempestade de baixa pressão atmosférica) em sua passagem pelo centro do Japão.

Na histórica cidade de Nikko e outras cidades da prefeitura de Tochigi, as precipitações acumularam mais de 500 milímetros nas últimas 24 horas, o maior índice nas últimas três décadas.

Em várias áreas do centro do país caíram mais de 400 milímetros de chuva nesse mesmo período, o que fez com que o governo de Ibaraki solicitasse ajuda às forças de autodefesa do japão (exército) para os trabalhos de resgate de pessoas que ficaram, ilhadas em suas casas ou foram levadas pelas inundações.

Nessa prefeitura, as autoridades ordenaram a evacuação de cerca de 10 mil pessoas, enquanto outros 100 mil moradores de Tochigi e outros milhares em Chiba, que fica ao leste de Tóquio, também tiveram que deixar suas casas, segundo a emissora pública de televisão, “NHK”.

A eles se somam 2.600 pessoas que foram evacuadas da cidade de Joso, na prefeitura de Ibaraki, a cerca de 55 quilômetros de Tóquio, devido ao transbordamento do rio Kinugawa, que provocou a inundação de uma área de 37 quilômetros quadrados.

A enchente surpreendeu os moradores da cidade, deixando cerca de 80 pessoas ilhadas em suas casas, que foram resgatadas por sete helicópteros das tropas japonesas em uma operação espetacular que foi transmitida ao vivo pelas emissoras de televisão do país.

O primeiro-ministro Shinzo Abe anunciou que o governo “tomará as medidas necessárias para proteger a vida dos cidadãos diante do desastre”, em declarações divulgadas pela NHK.

O tufão também foi responsável pelo desaparecimento de uma mulher de 63 anos em Tochigi, depois que um deslizamento de terra atingiu sua casa, enquanto outras 17 pessoas ficaram feridas em diversos acidentes. Duas pessoas estão em estado grave, informou a agência local “Kyodo”.

Pelo menos 375 casas foram danificadas ou destruídas pelas inundações e os deslizamentos.

As chuvas causaram a interdição de várias linhas ferroviárias no leste e no noroeste do país, assim como a suspensão do serviço de trem-bala (Shinkansen) entre as estações de Fukushima (centro) e Shinjo (norte).

A imprensa japonesa também exibiu imagens de ruas e estradas completamente alagadas em várias partes do país, assim como de veículos arrastados pelas inundações.

A JMA alertou que as chuvas torrenciais devem continuar até sexta (11) nas prefeituras de Fukushima, Saitama e Chiba, limítrofes com a área metropolitana de Tóquio, assim como na capital japonesa, onde podem cair até 200 milímetros de chuva.

EFE

Comentários

comentários