Tereza Cristina diz que Dilma não tem reação em relação à crise

Em entrevista ao programa Tribuna Livre, da Capital FM, e ao portal Página Brazil, a deputada federal Tereza Cristina (PSB), declarou que “o governo federal quebrou o país e não tem credibilidade para implementar as medidas que precisa para tirá-lo da crise. O governo apresentou um orçamento com R$30 bilhões de déficit para o Congresso resolver, mas essa não é a função do Congresso.”

DSC_0001

De acordo com a deputada: “o governo deveria providenciar a redução de cargos, rever empresas deficitárias, promover a reforma da Previdência. Se o governo ainda apresentasse medidas que efetivamente diminuíssem o tamanho do estado, que cortassem na própria carne, como a redução de cargos comissionados e corte de gastos da máquina pública, até a criação de uma CPMF receberia o apoio do Congresso, mas como aceitar a criação de mais impostos, quando o governo parece apenas querer manter-se no poder e com isso, não se sabe qual será a destinação desses recursos?”

Sobre a situação de Mato Grosso do Sul, dos demais estados da Federação e particularmente dos municípios, em um contexto de crise política, econômica e financeira, Tereza Cristina afirmou que a situação é caótica: “Por isso nós defendemos um pacto federativo, em que estados como Mato Grosso do Sul – que são grandes produtores, mas não são grande consumidores -, não paguem apenas impostos sem que depois recebam a devida contrapartida do governo federal. No mês que vem, oito ou nove estados do país não terão como pagar a folha de pagamento e os municípios estão quebrados. ”

Eleições 2016 – A deputada anunciou, para este sábado (19) “a realização de uma campanha de filiação do PSB em todo o estado, pretendendo lançar o maior número de candidatos às prefeituras do estados e fortalecendo o PSB em Mato Grosso do Sul. Nacionalmente, o partido tem o papel fundamental de ser uma terceira via. É um partido que tem protagonismo, programa, que luta por um pacto federativo que mude essa situação em que a União fica com 70% de tudo o que se arrecada e na hora em que ela tem que fazer algum ajuste, tira dos impostos que vão para os municípios.”

“Nós precisamos de um pacto federativo que acabe com essa situação, porque é nos municípios que as pessoas vivem e é a ele que recorrem para atenderem às suas necessidades. Então nós apoiamos o pacto federativo, que é uma bandeira nossa. E aqui em MS nós precisamos fortalecer o partido, ter esse protagonismo. Assim, com certeza teremos um candidato à prefeitura de Campo Grande”, finalizou.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários